Há alguns dias, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se gabou no Twitter de que quase um milhão de pessoas tinham solicitado ingressos para o seu comício de campanha em Tulsa, Oklahoma – o primeiro a ser realizado em meses, devido à pandemia do novo coronavírus. No entanto, apenas algumas milhares de pessoas apareceram e o estádio tinha muitos assentos vazios.

Parece que ele foi trollado por adolescentes fãs de K-Pop e do app TikTok. Aconteceu uma campanha na rede social para que as pessoas confirmassem presença, reservasse ingressos gratuitos e não aparecessem no evento. Muitos usuários publicaram no TikTok e em outras redes sociais telas mostrando a confirmação e explicando por que não iriam.



Mary Jo Laupp, uma senhora de 51 anos que mora em Fort Dodge, Iowa, foi uma das usuárias do TikTok que incentivou os usuários participarem do movimento. Laupp expressava sua insatisfação com o fato de Trump ter organizado seu comício para 19 de junho, dia da emancipação dos escravos nos EUA. Posteriormente, os organizadores mudaram o evento de data, mas o vídeo de Laupp teve mais de 700.000 likes no TikTok.

“Recomendo a todos aqueles que querem ver este auditório de 19.000 lugares meio vazio ou completamente vazio, que reservem agora os ingressos e o deixem ele lá sozinho no palco”, disse Laupp em seu TikTok. “O que vocês dizem?”

De acordo com o New York Times, o Departamento de Bombeiros de Tulsa verificaram 6.200 ingressos no BOK Center, um estádio com capacidade para 19 mil espectadores. O número de ingressos não inclui funcionários, mídia, nem os de camarotes.

Trump discursa no estádio BOK Center, em Tulsa, OklahomaCrédito: Nicholas Kamm/AFP/Getty

O gerente da campanha Trump, Brad Parscale, tuitou sobre a expectativa de um estádio lotado e falou até que seria a primeira vez que o presidente falaria com pessoas que não conseguiriam entrar no evento – a campanha planejou que o discurso de Trump fosse transmitido também do lado de fora. No entanto, por causa do estádio vazio, a campanha Trump não concretizou os planos.

O NYT relatou que muitos usuários apagaram os posts no TikTok e em outras plataformas onde falavam sobre o registro de ingressos gratuitos, a fim de ocultar seu plano e evitar que ele se espalhasse.

A campanha de Trump nega que tenha sido esse o motivo do baixo comparecimento. Parscale negou que “esquerdistas e trolls online” tenham afetado o comício. Em vez disso, culpou o baixo público à “mídia de fake news”.

“O fato é que uma semana de fake news propagando que as pessoas não deveriam ir ao comício por causa do COVID-19 e dos manifestantes, juntamente com imagens recentes de cidades americanas em chamas, teve um impacto real nas pessoas que trouxeram suas famílias e crianças para o comício”, disse Parscale ao Politico.

Segundo o site Politico, Parscale disse que o processo de confirmação de presença online para comícios ajuda a eliminar “números falsos” e que dezenas de milhares foram descartados para o comício de Tulsa.

Trump discursa no estádio BOK Center, em Tulsa, OklahomaCrédito: Nicholas Kamm/AFP/Getty

A realização do comício no meio de uma pandemia preocupou as autoridades locais e também provocou um caso na Suprema Corte de Oklahoma. Dois moradores locais haviam pedido à corte que os participantes do comício usassem máscaras faciais – algo que se tornou uma questão politicamente controversa nos EUA, embora especialistas acreditem que elas ajudam a retardar a propagação do vírus. Os moradores também haviam solicitado que os participantes mantivessem o distanciamento social. A Suprema Corte de Oklahoma negou o pedido na sexta-feira.

A maioria das pessoas que compareceram ao comício foram sem máscaras e não cumpriram as diretrizes de distanciamento social. Antes do comício, foi revelado que seis funcionários da campanha Trump que faziam parte da equipe de preparação do evento testaram positivo para coronavírus. Os funcionários foram imediatamente colocados em quarentena.