A vegetação está ajudando a impedir o acúmulo de CO2 em nossa atmosfera em um grau considerável, segundo um novo estudo. Embora seja uma boa notícia, isso não é o suficiente para deter o aquecimento global e provavelmente é um efeito temporário, já que a resposta do nosso planeta para as mudanças climáticas é muito complexa.

• O gelo do Ártico está levando muito mais tempo para se recuperar
• Um limite crítico do clima mundial foi permanentemente ultrapassado

A taxa de crescimento de CO2 vinha subindo de forma constante ao longo do final do século 20, mas entre 2002 e 2014 ela se manteve estável em 1,9 partes por milhão por ano. Essa é uma conta difícil de fechar, principalmente pelo fato de estarmos emitindo mais carbono do que nunca.

Trevor Keenan, pesquisador da divisão de clima e ecossistemas da Berkeley Lab, analisou os dados do Global Carbon Project no ano passado e notou uma pausa no ritmo de aumento do dióxido de carbono na atmosfera. Assim, ele percebeu que deveria existir uma espécie de escoadouro de CO2 não detectado, mas sabia que ele não estava no oceano, que tem absorvido carbono em uma taxa bem calculada nas últimas décadas.

crescimento-carbonoMudanças no ritmo de aumento do dióxido de carbono (CO2) na atmosfera, com a “pausa” destacada em azul. Imagem por Berkeley Lab.

Na região terrestre, no entanto, as condições climáticas são muito mais variáveis de ano para ano. Mudanças na temperatura e na precipitação impactam diretamente na quantidade de carbono que as plantas retiram da atmosfera.

“Nós percebemos que a Terra estava dissipando mais carbono”, disse Keenan ao Gizmodo. “Não sabíamos onde, nem o porquê.”

Procurando por respostas, Keenan e sua equipe combinaram modelos computacionais do ciclo de carbono da Terra junto com dados obtidos por satélite da vegetação terrestre, além de dados de pesquisas que medem a quantidade de CO2 e a água que entra e sai das copas das árvores.

A análise, que foi publicada na revista Nature Communications, apontou dois fatores responsáveis pela aparente desaceleração no acúmulo de CO2 na atmosfera: as plantas estão retirando mais carbono da atmosfera para realizar a fotossíntese e estão queimando menos carbono para ter energia. (Assim como os humanos, as plantas se alimentam de carboidratos e “respiram” parte dessa energia na atmosfera em forma de CO2.)

A maior absorção do carbono em uma atmosfera carregada é algo que os ecologistas têm discutido há algum tempo. Eles deram até um nome chique: “efeito de fertilização de CO2“. O aumento da temperatura global reduziu a respiração das plantas e o mecanismo pelo qual libertam CO2.

Mas entre 2002 e 2014, as temperaturas não subiram tão rápido como antes. Segundo Keenan e seus co-autores, isso é fundamental.

“A falta de aquecimento significava que não havia tanto CO2 na atmosfera [liberado pelas plantas]”, explicou Keenan. “Enquanto isso, tínhamos o aumento de CO2 na atmosfera, causando um efeito de fertilização”.

É uma resposta elegante para um tópico considerado misterioso por muitos especialistas. “Eu acho que esta é uma excelente análise, e será muito instigante” disse David Schimel, cientista do Laboratório de Propulsão a Jato que não estava envolvido com o estudo, ao Gizmodo.

Notícia boa, mas nem tanto

Mas, como Keenan e outros enfatizam, não podemos esperar que as plantas salvem o planeta sozinhas. Dada a recente série de recordes de meses quentes, é possível que o o efeito já tenha começado a desaparecer.

“É muito provável que esta seja uma pausa temporária no ritmo do aumento de CO2”, disse Keenan. “Quando o aquecimento voltar, veremos que o ritmo subirá novamente”.

Schimel concorda. “Essa captação terrestre foi causada, provavelmente, pelo aumento de CO2 na atmosfera, mas foi auxiliada pela aumento mais lento da temperatura nos últimos anos (a chamada “pausa”)”, escreveu em um e-mail. “Uma vez que a pausa tenha terminado, é esperado que o fenômeno pare.”

Qualquer pesquisa que destaque o papel da vegetação no controle do CO2 nos lembra que restaurar as florestas é uma das melhores estratégias para compensar as emissões de carbono. Com o acordo climático de Paris, muitos países de se comprometeram fazer justamente isso para diminuir os efeitos do aquecimento global.

No final das contas, só tem uma coisa que vai evitar as piores consequências da mudanças climática: acabar com o consumo de combustível fóssil.

[Nature Communications]

Imagem do topo: Vijesh K/Flickr.