O papo sobre mudanças climáticas e sobre como a humanidade está alterando a dinâmica do planeta parece algo distante, que somente as gerações futuras sentirão. Mas isso está longe de ser verdade. Algumas cidades do planeta já estão sentindo para valer os efeitos da crise do clima, com altas temperaturas, aumento do nível do mar e muitos focos de incêndio.

Junho foi um mês excepcionalmente quente para vários países do hemisfério norte. Foram pelo menos 486 mortes registradas na província canadense de Colúmbia Britânica, onde as temperaturas atingiram quase 50° C. Nos Estados Unidos, uma onda de calor entortou rodovias e derreteu linhas de energia.

O recorde de calor ocorreu em 22 de junho, quando Nuwaiseeb, no Kuwait, registrou a temperatura mais alta do mundo em 2021, com 53,2°C. No país vizinho Iraque, as temperaturas atingiram 51,6ºC em 1 de julho de 2021.

O mesmo acontece em Ahmedabad, cidade da Índia, conforme relata a BBC News. As áreas muito povoadas são afetadas por um evento conhecido como efeito de ilha de calor urbana — concentração de materiais que absorvem mais calor e possuem baixa capacidade reflexiva, como asfalto e concreto dos prédios. A pior parte: não há trégua à noite, quando pode realmente ficar mais quente.

Shakeela Bano, moradora da cidade, contou à reportagem que costuma colocar as roupas de cama de sua família no telhado de sua casa de um andar na Índia, já que, algumas noites é impossível dormir — a temperatura pode chegar a 46°C. Ela mora com  o marido, a filha e três netos em um quarto sem janelas, e a residência conta com apenas um ventilador para refrescar o ambiente.

No Brasil, as temperaturas estão ligeiramente abaixo desses exemplos. Mas não muito. Cidades do interior de Goiás, por exemplo, superaram a marca dos 43°C no último mês de setembro.

Num momento crucial para que o mundo olhe com mais cautela para mudanças climáticas, acontece a a COP26, Conferência Anual de Mudança Climática da Organização das Nações Unidas (ONU). Iniciada em 31 de outubro e com fim previsto para 12 de novembro, o evento reúne representantes de vários países com o objetivo de discutir alternativas à crise climática.

Assine a newsletter do Gizmodo

Aqui estão algumas atualizações sobre a questão do clima discutidas na COP 26, como apontou o Gizmodo EUA.