100 milhões de anos atrás, quando os dinossauros ainda estavam por aí, esta aranha tinha capturado uma vespa em sua teia. A vespa seria o prato principal do jantar da aranha. A vespa estava prestes a morrer assistindo a aranha a matando. A vespa estaSPLAT! No exato momento, há cem milhões de anos, a resina de uma árvore caiu em cima deles e “congelou” o inseto e o aracnídeo no tempo para que, hoje, nós pudéssemos vê-los.

É quase inacreditável. George Poinar Jr., um professor de zoologia da Universidade do Estado de Oregon, explica:

“Essa era uma vespa macho que de repente se viu preso na teia de uma aranha. Isso era o pior pesadelo para uma vespa, e um que nunca chegou ao fim. A vespa assistia a aranha prestes a atacar, quando a resina da árvore caiu e capturou os dois.”

O âmbar que contém os dois também tem 15 fios de teia de aranha e foi escavado em uma mina burmanesa. Os pesquisadores dizem que o âmbar data do período Cretáceo Inferior, algo entre 97 milhões e 110 milhões de anos atrás. Esse é, também, a primeira evidência fossilizada de um ataque de aranha.

O que é mais poeticamente hilário sobre essa imagem é que a vespa no âmbar (Cascoscelio incassus) era conhecida por parasitar ovos de aranha. Esse cenário soava como uma suculenta vingança para a aranha. Pena que ambas as espécies, tanto da aranha, quanto a da vespa, estejam atualmente extintas. [Discovery]