A disponibilidade e cobertura do 4G vem melhorando nos últimos anos, conforme apontam os relatórios da OpenSignal – empresa britânica especializada em mapeamento de cobertura de internet. Apesar de a tecnologia estar presente em mais cidades e com mais frequência, as operadas ainda não oferecem um serviço consistente.

É o que mostra o último relatório da companhia sobre oportunidades no 5G. De acordo com os registros, há grandes diferenças de velocidades do 4G entre diferentes operadoras, entre as cidades e até velocidades oscilantes no serviço da mesma operadora, dependendo do horário.

Na prática isso significa que clientes acabam experimentando velocidades muito diferentes ao longo do dia. Os dados de 2018 apontam que, em média, os usuários brasileiros desfrutaram de 18,6 Mbps na velocidade de download 4G. A variação, no entanto, é de cerca de 12 Mbps para os momentos mais lentos e mais rápidos.

A média é de 16,4 Mbps nos momentos mais lentos – quando o congestionamento na rede é maior devido ao grande número de usuários que consomem muitos dados – e 28,6 Mbps nos momentos mais rápidos – quando poucas pessoas estão usando os serviços de rede.

Variação de velocidade

Variação de velocidade de download 4G nas cidades brasileiras

A Opensignal registrou a maior flutuação de velocidades em Brasília, onde o download 4G variou de 19,3 Mbps a 34,7 Mbps (diferença de 15,4 Mbps). São Paulo também experimentou grandes oscilações em velocidades, com pico de 31,1 Mbps e baixa de 15,8 Mbps (variação de 15,3 Mbps).

As cidades que menos sofreram flutuação foram Fortaleza e Manaus. Por outro lado, são as duas cidades com as menores velocidades disponíveis – nessas regiões, as velocidades médias de download foram de respectivamente de 13,3 Mbps e 14,3 Mbps, mais de 4 Mbps abaixo da média nacional e 10 Mbps mais lentas do que os consumidores experimentaram em Porto Alegre, cidade com a maior velocidade média.

Os piores horários

Horário mais lento do 4G nas maiores cidades do Brasil

Geralmente, as velocidades caem no horário de pico, entre às 18h e às 19h, quando muitas pessoas saem do trabalho e vão para casa – é o caso de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Salvador e Fortaleza. No período entre às 19h e 20h, Belo Horizonte e Manaus experimentam suas quedas. Em Brasília e Goiânia, as redes ficaram mais movimentadas mais tarde, entre às 20h e 21h.

Porto Alegre se destacou por oferecer 21,4 Mbps de download mesmo nos momentos mais congestionados da rede – o número é melhor do que aqueles os consumidores de todas as outras cidades desfrutam, em média, durante um período de 24 horas.

O relatório da OpenSignal destaca que as redes 5G devem ajudar a aliviar o congestionamento no 4G e oferecer velocidades mais consistentes – eles lembram que essa flutuação prejudica o consumo de determinados conteúdos, como streaming de vídeos 4K.

No Brasil, a tecnologia 5G ainda deve demorar para aparecer; há a expectativa para o leilão das frequências ainda em 2019, mas os custos de implementação da infraestrutura emperra o avanço.