Vendas de CPUs desabam no 1º trimestre e preços aumentam

Apesar da queda, a venda de processadores da AMD continua a crescer, reduzindo a participação da Intel no mercado de CPUs x86

Vendas de CPUs desabam no 1º trimestre e preços aumentam

As vendas de CPUs x86 despencaram 30% no primeiro trimestre de 2022, quando comparado com o trimestre anterior. É o que aponta uma nova pesquisa realizada pela empresa Mercury Research, que acompanha a venda de componentes para computadores.

Não é de hoje que a venda de desktops está esfriando. Porém, o resultado nos três primeiros meses deste ano está sendo chamado de a pior queda trimestral da história na venda de processadores para desktop, de acordo com Dean McCarron, presidente da Mercury Research.

Porém, o relatório destaca que a queda não é tão alarmante quando o mesmo período é comparado com o primeiro trimestre de 2021. “No ano, caiu um pouco mais de 11%”, disse McCarron à PCMag.

Segundo a análise da empresa, o declínio nas vendas dos processadores pode ser explicado pelo excesso de estoque de CPUs, assim como a queda habitual nas vendas, algo normal entre os meses de janeiro e março. Essa análise é reforçada pela divulgação dos resultados financeiros da Intel para o primeiro trimestre, em que é destacado que as fabricantes de PCs estão focadas em vender o estoque de produtos existentes.

Vale lembrar que tradicionais marcas de processadores, como a AMD e a própria Intel, interromperam em março as vendas de chips para a Rússia e Belarus, devido à guerra na Ucrânia.

Além disso, as vendas de processadores para PCs estão caindo após o período da emergência da pandemia de Covid-19, quando houve um pico na demanda por computadores para trabalhar e estudar em casa, o que acabou gerando uma escassez de componentes.

Preços dos processadores também subiram

Apesar do resultado negativo, a AMD viu a venda de chips para desktops e consoles de videogames aumentarem em 2,1%, alcançando 27,7% de participação de mercado no primeiro trimestre deste ano. O número supera o recorde de 25,6% do trimestre anterior, diminuindo, assim, a margem com a Intel — que ainda detêm 72,3% do mercado. No ano, o crescimento da AMD foi de 7%.

Outro recorde alcançado no período foram os preços de venda de CPUs para desktops e notebooks, alcançando o valor médio de US$ 138, um aumento de 10% em relação ao quarto trimestre de 2021 e mais de 30% ao ano.

Segundo o relatório, o incremento nos preços é impulsionado pela redução nas vendas de processadores de baixo custo e na alta procura por novos processadores móveis da AMD e Intel.

Sair da versão mobile