Uma pesquisa recente que analisou mais de 10 milhões de sistemas estelares não conseguiu detectar sinais de vida extraterrestre. O relatório foi divulgado nas Publicações da Sociedade Astronômica da Austrália

Astrônomos que trabalham com o radiotelescópio Murchison Widefield Array (MWA) na Austrália Ocidental não identificaram tecnoassinaturas alienígenas enquanto pesquisavam milhões de sistemas estelares na constelação de Vela. Os autores do estudo, Chenoa Tremblay, do CSIRO, e Steven Tingay, do Centro Internacional de Pesquisa em Radioastronomia (ICRAR), estavam caçando baixas frequências de rádio semelhantes às produzidas pelos seres humanos aqui na Terra.

Localizado em uma zona silenciosa de rádio do deserto australiano, o MWA, com seus 256 blocos de matriz, tem uma faixa de frequência entre 80 MHz e 300 MHz.

“O MWA é um telescópio único, com um campo de visão extraordinariamente amplo que nos permite observar milhões de estrelas simultaneamente”, explicou Trembley em um comunicado à imprensa da Universidade Curtin. “Observamos o céu ao redor da constelação de Vela por 17 horas, que parecia mais de 100 vezes mais amplo e profundo do que nunca. Com este conjunto de dados, não encontramos assinaturas tecnológicas – nenhum sinal de vida inteligente”, disseram.

Os astrônomos estavam procurando por ondas de rádio entre 98 MHz e 128 MHz, já que esses “sinais de banda estreita” são “consistentes com as transmissões de rádio de civilizações inteligentes”. Claro, continuamos a ser a única civilização inteligente conhecida a produzir esses tipos de sinais de rádio, mas os alienígenas, se eles existem, provavelmente são capazes de produzir os mesmos sinais.

Este último esforço do foi conduzido em janeiro de 2018 e incluiu uma região do espaço conhecida por conter pelo menos seis exoplanetas. Até o momento, o MWA examinou 75 exoplanetas conhecidos em baixas frequências.

Segundo os autores, a nova pesquisa, que incluiu mais de 10 milhões de estrelas, foi maior do que estudos anteriores feitos com ajuda do MWA. Das 30 horas de observação, 17 estavam livres de interferências possivelmente causadas pelo trabalho contínuo durante um dia inteiro na ativa. O mesmo foi constatado durante observações noturnas.

O resultado nulo não é totalmente surpreendente, já que o volume de espaço pesquisado pelos astrônomos ainda é excepcionalmente pequeno. No comunicado à imprensa, Tingay disse que “era o equivalente a tentar encontrar uma pista nos oceanos da Terra, mas apenas procurando um volume de água equivalente a uma grande piscina de quintal”.

Em um projeto concluído no ano passado, astrônomos do projeto Breakthrough Listen também não conseguiram detectar sinais de inteligência alienígena, em uma pesquisa que incluiu 1.372 estrelas próximas.

Esses resultados são desanimadores. No entanto, para ser justo, a busca por alienígenas apenas começou. Além do mais, as chances de detectarmos vida inteligente fora da Terra são excepcionalmente baixas, dada a vastidão do espaço e as estreitas escalas de tempo envolvidas. Nossa civilização, por exemplo, só começou a emitir sinais de rádio há cerca de 100 anos.

Encontrar alienígenas neste gigantesco palheiro galáctico é uma proposta verdadeiramente assustadora, mas temos que continuar procurando. A boa notícia é que nossas ferramentas estão cada vez melhores. Assim que o Square Kilometer Array (que será o maior telescópio do mundo) no oeste da Austrália estiver pronto, ele será capaz de escanear bilhões de sistemas estelares, com 50 vezes mais sensibilidade do que o MWA.