O Google está levando cada vez mais a sério sua plataforma Ara de smartphone modular. No vídeo a seguir, a empresa mostra alguns dos desafios que ela vem enfrentando – e como pretende superá-los.

O conceito geral do Ara é produzir um smartphone modular, cuja versão básica custaria apenas US$ 50 e viria apenas com uma tela, carcaça e chip Wi-Fi. Os usuários então iriam acrescentar módulos de câmera, processador, entre outros.

É uma ideia legal, mas requer muita perspicácia de engenharia. Este vídeo mostra uma iteração inicial do endoesqueleto do Ara, uma moldura prateada na qual são encaixados os módulos extras:

Alguns céticos dizem que esses módulos iriam simplesmente cair como blocos de Lego. Mas é interessante que eles ficam presos usando eletroímãs permanentes, que não precisam de energia para fixá-los no aparelho. Resultado: o celular não precisaria nem de um chassi externo.

Os engenheiros do Google também falam sobre os designs iniciais para os módulos do Ara em si – que devem ser personalizáveis, com efeitos de textura e cores brilhantes.

Um projeto como esse exige ceticismo, já que há inúmeros desafios a se lidar – e outras empresas falharam tentando fazer celulares modulares. Mas o projeto está em boas mãos, e o vídeo passa uma sensação de honestidade aberta: este é um projeto difícil, e nem todos os objetivos são facilmente realizáveis, mas o Google está disposto a admitir isso.

Eles também querem nos deixar ansiosos para experimentar o Ara, que deve ser lançado no início de 2015. [Phonebloks via Engadget]