O e-lixo é composto por milhões de gadgets quebrados, mortos e obsoletos. Muitas vezes, ele é tóxico (e valioso) demais para ser jogado em uma caçamba de lixo – por isso, ele é reciclado. Visitamos uma unidade de reciclagem de lixo eletrônico em Nova York para ver a vida após a morte da tecnologia.

>>> O que acontece com a tecnologia depois que é descartada
>>> Inferno eletrônico: onde os eletrônicos ocidentais vão para morrer

Na constante luta da humanidade contra a grande quantidade de resíduos que produzimos, surgiu uma nova categoria de lixo. A Hugo Neu Recycling costumava ser a maior recicladora de sucata de metal nos EUA. Agora, eles são especializados em e-lixo – na maior parte proveniente de empresas querendo descartar equipamentos velhos.

Quando nós entramos, dava para sentir o cheiro das placas de circuito. À nossa volta, esteiras transportadoras levavam pilhas de eletrônicos, tanto para trituradores como para separadores. Havia de tudo: discos rígidos, TVs antigas, dispositivos médicos, laptops e impressoras. Muitas impressoras.

Como funciona

Tudo começa com a remoção de materiais perigosos: mercúrio, chumbo e componentes de baterias. Depois, o lixo é jogado em uma correia transportadora, e levado direto para o triturador. Após ser dividido em pedaços, vários mecanismos de triagem separam o lixo em pilhas com base no material. É uma combinação de ímãs e separação por peso.

Mas nenhum destes métodos é perfeito, e mais cedo ou mais tarde cada “fluxo” é analisado por humanos, que veem as peças e retiram as que não se encaixarem no quesito. A reciclagem separa plástico, alumínio, placas de circuito, cobre e materiais ferrosos. Isso é então vendido em grandes quantidades para empresas de reaproveitamento.

Esteira transportadora com lixo

Ver estes fluxos intermináveis ​​de gadgets é catártico, mas também é um alerta desagradável de quanto lixo está sendo produzido por nossa obsessão com eletrônicos.

Os esforços para coletar e-lixo estão crescendo, mas vai demorar até que isso se torne mais fácil e generalizado, como a reciclagem de garrafas e latas.

Coleta de e-lixo no Brasil

Um estudo de 2013 estima que o Brasil gera cerca de 1 milhão de toneladas de e-lixo por ano. Por isso, faça sua parte na reciclagem.

Se você tem um celular velho, descarte-o em lojas de operadoras: Claro, Vivo, TIM, Oi e Nextel têm programas de coleta; clique nos links para conferir os locais.

eCycle - reciclagem

Se você tem outro gadget velho, saiba onde descartá-lo visitando o eCycle: você coloca seu CEP, seleciona o tipo de lixo eletrônico – impressora, computador, câmera etc. – e ele indica os pontos de coleta na sua cidade. (O e-lixo.org também exibia um mapa com locais de coleta, mas está “em manutenção” há dois anos.)

Algumas fabricantes – como Dell, HP e Philips – também possuem programas próprios de reciclagem; clique nos links para saber mais.

Vídeo por Michael Hession e Nick Stango