Isso aí não são punks do Second Life — estas são visualizações do que pessoas com síndrome de encarceramento pensam, e estas representações gráficas podem nos ajudar a nos comunicar com pessoas que sofrem dessa doença e não responder física ou verbalmente.

Algumas pessoas em estado vegetativo podem ter uma certa consciência do que acontece no seu entorno, mas não têm meios de se comunicar com médicos, amigos ou familiares. Para entender melhor isso, pesquisadores da Universidade de Cambridge mediram a atividade cerebral usando eletroencefalógrafos (EEGs) e depois analisaram os dados para entender as conexões e ligações que existem nos cérebros de pacientes nesse estado.

O resultado —“as assinaturas neurais da consciência”, como são chamadas pelos cientistas— revela que as respostas destas pessoas aos estímulos são similares às das pessoas saudáveis. Isto significa que pode ser possível ligar ações com atividade dos nossos cérebros e usá-las para traduzir os pensamentos das pessoas que não podem se comunicar. Um dia. [PLoS Computational Biology via New Scientist]