O Vivo 3G Plus chega à região metropolitana de São Paulo com os seguintes preços: R$99,50 mensais para quem já é cliente do Speedy, da Telefônica, e R$200 para os que não assinam a banda larga. No resumo: precinho salgado para uns, completamente impraticável para outros (principalmente os sem Speedy).

Mas a mudança pode valer a pena se você quer muito, mas muito ser o early adopter da comunicação. A Vivo diz melhoria de “até três vezes em velocidade”. Segundo o site da Vivo:



Tecnologias 3GPlus: rede HSPA+
Acesso à internet móvel com velocidade de 3Mbps (podendo em alguns momentos chegar ao máximo de 6Mbps).
Em locais onde não há cobertura dessa tecnologia, o equipamento se conectará automaticamente em 3G ou GPRS/EDGE, seguindo o mesmo funcionamento da tecnologia 3G.
Tecnologias 3G: HSPA / HSDPA / WCDMA
Acesso à internet móvel com velocidade máxima de 1Mbps.
Em locais onde não há cobertura dessa tecnologia, um equipamento 3G se conectará automaticamente em GPRS/EDGE. Ou seja, equipamentos 3G funcionam em toda a área de cobertura 3G e GPRS/EDGE. A mudança automática de tecnologia sempre funciona, exceto quando o equipamento estiver forçado a se conectar em uma tecnologia específica.

Vale salientar que nas especificações técnicas, a promessa do HSPA e do HSPA+ é bem diferente do disposto no site da Vivo: velocidade de download de até 21Mbps no segundo, contra 7,2Mbps do primeiro. Mas nós só descobriremos a real velocidade do 3G Plus em breve com alguns testes.

Atualização: mais detalhes importantes para o plano 3G Plus: a franquia de dados é de 10GB mensais, e a velocidade é reduzida para 256kbps após ultrapassar o limite.

Por enquanto, o modem e o pacote do 3G Plus começam a ser vendidos hoje, e a Vivo jura que sua rede HSPA+ já está pronta para visitar novos estados, mas nenhuma data ou próximas cidades agraciadas foram reveladas. [Info]