De todas as aplicações futuras da tecnologia, eu nunca havia imaginado lá atrás que um dia estaria fazendo check-in com uma lata de refrigerante. Ainda assim, foi exatamente essa a maneira como embarquei rumo a Porto Alegre na quarta-feira (26) para assistir ao jogo da Seleção contra o Paraguai, pela Copa América.

O procedimento é uma ação da GOL em parceria com o Guaraná Antarctica, estreitamente ligada à disputa do torneio sul-americano. A máquina de check-in estará disponível no saguão do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, até o dia 7 de julho, data da final da Copa América.

Qualquer cliente da GOL que tenha voos diretos com embarque previsto para o aeroporto paulistano poderão fazer o check-in diferente, das 9h às 18h, recebendo uma latinha de Guaraná com seu nome e o código de barras do cartão de embarque na embalagem.

O processo é bastante rápido: basta o passageiro digitar seu localizador no totem da Gol no saguão, apertar um botão na tela, e o processo de impressão das informações na latinha começa. Em questão de segundos, tudo está pronto, e o passageiro só precisa segurar a vontade de tomar o refrigerante até a entrada no avião (caso o cliente abra a lata, precisará realizar uma nova impressão do cartão de embarque no autoatendimento da GOL).

Dentro da máquina, a tecnologia envolve impressão a laser e um sistema específico. Bruno Temporim Carneiro, produtor da Índice, empresa responsável pela criação, explica que o sistema desenvolvido pela companhia lê todas as informações do passageiro por meio de uma integração com o sistema de embarque da GOL.

Dentro do totem, uma impressora a laser industrial recebe as informações e imprime os dados na lata rapidamente. Segundo Carneiro, o sistema está pronto para receber o pedido de uma nova impressão a cada cinco segundos, com o tempo da operação, portanto, dependendo mais da interação do usuário com o totem.

Ainda que a ação seja temporária, prevista para acabar já no próximo final de semana, a premissa aqui é bastante interessante e pode abrir caminho para outras experiências que juntem serviços diferentes para oferecer algo inovador às pessoas. Sem falar que poder passar pelo raio-x com um recipiente com mais de 100 ml foi bem libertador.

*O Gizmodo Brasil foi a Porto Alegre a convite da GOL