A Europa emprega um sistema de “use ou perca” para determinar as faixas horárias de uma companhia aérea. Então, o que as operadoras devem fazer quando um surto global faz a demanda por voos despencar? A resposta: voos “fantasmas”.

É exatamente o que parece: as companhias aéreas estão pilotando aviões desprovidos de passageiros por toda a Europa e desperdiçando milhares de litros de combustível no processo, informou o Sunday Times nesta semana. Embora varie de acordo com o modelo, alguns aviões podem queimar cinco galões de combustível por milha (1,6 quilômetro) de voo, emitindo toneladas de CO2 e outros gases de efeito estufa.



A razão pela qual as operadoras foram forçadas a implantar aviões “fantasmas” pode ser atribuída a um regulamento de décadas “para garantir que as companhias aéreas tenham acesso aos aeroportos mais movimentados da UE com base em princípios de neutralidade, transparência e não discriminação”, de acordo com o site da Comissão Europeia.

Na Europa, se as companhias aéreas não usarem 80% de suas faixas horárias alocadas em um aeroporto em particular, elas correm o risco de perdê-las para os concorrentes nas avaliações anuais de oficiais do governo. Essencialmente, as operadoras precisam provar que têm demanda suficiente para justificar posições privilegiadas.

Essa cota fez com que as companhias corressem atrás de uma solução devido à queda na demanda por voos em meio ao surto de COVID-19, a doença causada pelo novo coronavírus. Até o momento, foram registrados mais de 100.000 casos em 101 países em todo o mundo.

Nesta semana, o secretário de Transportes do Reino Unido, Grant Shapps, escreveu aos reguladores pedindo uma moratória sobre essas regras para evitar repercussões ambientais e econômicas adicionais à medida que o surto continua se espalhando. O custo de pilotar aviões vazios aumenta o prejuízo de US$ 113 bilhões em vendas perdidas na indústria da aviação, visto que as pessoas evitam viajar por medo de contrair a doença, de acordo com a Associação Internacional de Transporte Aéreo.

Esses voos “fantasmas” marcam mais um efeito ambiental em cascata decorrente da rápida disseminação de COVID-19 so redor do mundo. A demanda global por petróleo também entrou em colapso e sofreu a queda mais dramática da história no início desta semana. E, para o bem ou para o mal, a poluição do ar na China também despencou após várias quarentenas do governo que isolou milhões de cidadãos na tentativa de conter a propagação da doença.