Chegou hoje (11) ao Disney + o primeiro episódio de ‘What If’ da Marvel, uma antologia de histórias independentes sobre os personagens dentro das linhas do tempo ramificadas que constituem a série do Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Em algum ponto, o significado maior de tudo isso ficará mais claro.

Os próximos trechos contêm spoilers do primeiro episódio.

Em seu episódio de estreia, a pergunta retórica de What If foi respondida por meio do reexame de Peggy Carter (Hayley Atwell) tanto como pessoa individual quanto como figura cujas decisões tiveram um poderoso efeito cascata no arco da história.

Enquanto Vigia (Jeffrey Wright) apresenta como os universos surgiram totalmente formados, todos marcados por momentos que levaram aos eventos de suas respectivas linhas do tempo, ramificando-se pelo que sabemos.

Ao escolher ficar dentro da câmara, em vez de testemunhar o procedimento em outra sala, onde Steve Rogers (Josh Keaton) deveria receber a dose experimental do soro que o transformaria em super soldado, Peggy se colocou no caminho para se tornar, nessa realidade, a primeira Vingadora.

Embora grande parte do primeiro episódio intitulado “What If… Captain Carter Were The First Avenger?” (algo como “E se … a capitã Carter fosse a primeira Vingadora?”) se desenrole de maneira semelhante aos eventos de Capitão América: o primeiro Vingador e outros quadrinhos em que Steve inicialmente se torna o Capitão América, a história gira em torno de uma série de novas direções para fazer as origens da Capitã Carter parecerem distintamente suas.

Depois de se voluntariar para o experimento de Howard Stark (Dominic Cooper), para evitar conflitos, Peggy é transformada em uma super soldado que o governo americano ansiava criar. Mas por ser mulher, ela se depara com um nível quase cômico de hostilidade sexista aberta do agente John Flynn (Bradley Whitford), que se recusa a reconhecer o valor inestimável que ela tem contra os nazistas e Hydra.

Imagem: Disney+/Marvel

Com a Segunda Guerra Mundial em pleno andamento e rumores de tecnologias em desenvolvimento de Hydra destinadas a devastar o mundo, as forças aliadas precisam de toda a ajuda que puderem para evitar rumos desconhecidos. Aos olhos de Flynn, porém, nada disso é suficiente para ele sequer considerar colocar Peggy em campo, mesmo quando fica cada vez mais claro que o exército pode precisar de sua ajuda superpoderosa para enfrentar o inimigo.

Enquanto Carter treina e joga pesos na parede como se eles não fossem nada, o episódio cai nos ritmos familiares de uma história sobre uma “Personagem Feminina Forte” que se levanta para acabar com o sexismo enquanto também salva o dia. ‘What If’ não está tentando reinventar a roda e o show não tem exatamente o tempo de execução para fazer isso.

Imagem: Disney+/Marvel

O que este episódio consegue fazer, no entanto, é criar a circunstância perfeita para destacar os elementos da personalidade de Peggy, que sempre fizeram dela uma personagem convincente, e apresentá-los em um novo contexto que martela a ideia de que ela, como outras figuras da Marvel , são ideias míticas mais do que pessoas.

Poderes à parte, a Capitã Carter não é exatamente diferente de sua contraparte do MCU original. Por mais poderosa que seja, os talentos de Peggy para espionagem e raciocínio rápido realmente a tornam uma força a ser enfrentada em combate, e é difícil não a ver como o soldado ideal.

Das performances do episódio, Atwell se destaca por se sentir mais confortável e familiar de uma forma que diferencia Peggy de alguns dos personagens secundários do episódio, como Bucky Barnes (Sebastian Stan).

‘What If’ assume um Steve magricela – que acaba se tornando a resposta de seu universo para um dos primeiros Homens de Ferro – assume uma espécie de papel de Steve Trevor neste primeiro episódio. Enquanto Steve está lá para servir de cobaia para a tecnologia de armadura de Howard Stark, ele também está lá para incorporar as coisas pelas quais Peggy está lutando. O lembrete de ‘What If’ do romance canônico de Peggy e Steve parece a maneira do episódio lembrar você de onde as versões cinematográficas desses personagens começou, mas também um pouco como a Marvel.

Embora o episódio tente fazer parecer que o Steve deste universo também está destinado a acabar envolto em gelo (ou pelo menos presumivelmente morto como Bucky ficou depois de cair em uma batalha), esse destino em última análise pertence a Peggy. Para ser mais preciso, porém, esse destino parece estar ligado a quem levanta o escudo de vibrânio na mão, para lutar contra Hydra e a Caveira Vermelha (Ross Marquand).

Imagem: Disney+/Marvel

Como tende a ser o caso, o plano da Hydra  para dominar o mundo mais uma vez envolve o Teseract, que ele pretende usar como uma chave para abrir um portal que permite ao “verdadeiro” campeão de Hydra emergir de outra dimensão. Como o episódio constrói suas cenas finais, algumas das coisas que tornam a série promissora acaba meio que trabalhando contra o favor do episódio.

Uma vez que o Teseract está em jogo, você deve entender que ele é importante, mas é passado de volta entre os heróis e vilões com uma rapidez para onde a história está indo muito antes de chegar lá. Em vez de acontecer em uma aeronave Hydra, o confronto da Capitã Carter contra Hydra ocorre em um bunker onde ela e os outros heróis ficam consternados ao ver que o campeão do Caveira Vermelha, um monstro enorme de muitos tentáculos, já está tentando abrir caminho através de um portal dimensional. Enquanto Peggy corta a besta de Hydra – sobre a qual eles certamente não têm controle – com sua espada e escudo, parece muito que ‘What If’ a está preparando para ser a peça central de um novo arco de décadas construindo para a formação de um diferente grupo de Vingadores no futuro.

Todas os elementos da clássica história do Capitão América estão lá, até Peggy estar perdida no tempo, embora aqui seja porque ela se sacrifica para empurrar a hidra de volta à sua dimensão original. O retorno da Capitã Carter à Terra atualmente também ecoa o Rogers emergindo do gelo, mas como vimos dos trailers, o mundo em que ela entrou não é exatamente como tudo o que vimos antes.

O título deste episódio por si só já sugeria que esta Peggy foi apenas a primeira dos Vingadores de sua linha do tempo em um sentido histórico, e haverá outros que veremos mais conforme a série progride. Mas depois de estrear com uma versão renovada de um clássico MCU, agora o show tem que provar se é ousado o suficiente para realmente sair do caminho batido e dar aos espectadores algo novo e inesperado para assistir.

Assine a newsletter do Gizmodo

What If vai ao ar às quartas-feiras na Disney +.