A disseminação de notícias falsas é um dos grandes problemas potencializados pelo WhatsApp. Para tentar combatê-las, o aplicativo já apelou para diversas e variadas soluções, desde financiar pesquisas sobre o tema até limitar o número de destinatários ao encaminhar mensagens. Agora, a empresa quer atacar mais um lado e colocar uma busca reversa de imagens no aplicativo.

De acordo com o WABetaInfo, o recurso funcionaria nos seguintes moldes: o aplicativo mostraria um botão junto a toda imagem recebida. Ao clicar nele, a imagem seria enviada para o serviço de busca reversa do Google, que procura por arquivos semelhantes na rede. Isso, teoricamente, ajudaria usuários a descobrirem se uma foto é real ou montagem, por exemplo, e permitiria descobrir um pouco mais sobre o contexto daquela imagem.

Falamos “teoricamente” porque, sinceramente, isso não deve funcionar tão bem assim. Apesar de ser uma ferramenta útil, ela não é lá muito amigável, e é difícil imaginar que todo mundo vai conseguir usá-la para descobrir montagens e entender contextos. Lógico, é melhor do que nada, mas não dá para esperar que isso terá um impacto muito relevante.

O compartilhamento de desinformação é um dos mais graves problemas envolvendo o WhatsApp. Na Índia, ele teve consequências terríveis: pessoas foram linchadas e mortas após a disseminação de notícias falsas no ano passado. De lá para cá, o aplicativo chegou a criar uma espécie de central de reclamações no país para tentar conter o problema. No Brasil, segundo a Folha de S.Paulo, a plataforma foi utilizada para tentar manipular o processo eleitoral, com disparos de centenas de milhões de mensagens contra o PT.

No resto do mundo, medidas como limitar encaminhamentos, notificar empresas responsáveis por spam e banir contas de robôs foram tomadas. A batalha, no entanto, parece estar longe de chegar ao fim.

[WABetaInfo via Mashable]