Em março, a Microsoft deixou todo mundo empolgado quando sugeriu que daria o Windows 10 de graça até mesmo para usuários piratas. Dois meses depois, a empresa volta para esclarecer que isso não é verdade.

Terry Myerson, chefe de sistemas operacionais da Microsoft, diz em blog oficial: “a nossa oferta para atualizar gratuitamente para o Windows 10 não se aplica a dispositivos rodando cópias não-genuínas do Windows”.

Se você roda uma cópia legítima do Windows 7 ou 8.1, poderá atualizar de graça: é só baixar o Windows 10 durante o primeiro ano de seu lançamento – ou seja, até o terceiro trimestre de 2016.

Fazendo isso, você vai receber atualizações durante toda a vida do seu PC: “uma vez que um dispositivo com Windows estiver atualizado para o Windows 10, vamos continuar a mantê-lo atualizado por toda a vida do dispositivo – sem nenhum custo”, disse Myerson em janeiro.

E se sua cópia for pirata? Bem, você também poderá atualizar para o Windows 10… se você pagar. Os preços ainda não foram divulgados, mas Myerson diz que algumas fabricantes terão “ofertas de atualização muito atraentes” para piratas, prometendo detalhes para o futuro.

A Microsoft não voltou atrás

Quer dizer que a Microsoft voltou atrás? Bem, na verdade, a empresa nunca prometeu explicitamente uma atualização gratuita para piratas. É verdade: dê uma olhada na declaração de Myerson à Reuters em março, que começou toda a confusão.

“Vamos atualizar todos os PCs qualificados, genuínos e não-genuínos, para o Windows 10”, disse ele em entrevista por telefone à Reuters. O plano é “se engajar de novo” com as centenas de milhões de usuários do Windows na China, disse ele, sem dar mais detalhes.

Ele não disse que a atualização seria gratuita: ele disse que PCs rodando software pirata poderiam ser atualizados. Só isso.

Mas, como o Windows 10 foi prometido como uma atualização gratuita, todo mundo achou que ele seria de graça para piratas também. Em vez de resolver a confusão, a Microsoft só piorou as coisas:

“Qualquer um com um dispositivo qualificado pode atualizar para o Windows 10, incluindo aqueles com cópias piratas do Windows”, diz um porta-voz da Microsoft ao The Verge. “Acreditamos que os clientes vão perceber com o tempo o valor de licenciar o Windows corretamente, e vamos facilitar o processo para eles migrarem para cópias legítimas.”

De novo, a Microsoft não disse que a atualização seria gratuita – mas também não negou.

Confusão

As coisas ficaram ainda mais complicadas com uma nova declaração da empresa ao Ars Technica, em março:

… apesar de PCs não-genuínos poderem atualizar para o Windows 10, a atualização não vai mudar o verdadeiro estado da licença… Se um dispositivo foi considerado não-genuíno antes da atualização, ele continuará a ser considerado não-genuíno após a atualização.

O que isso significa? Quais os riscos de se atualizar um PC pirata? O Ars Technica pediu mais detalhes e recebeu um “não iremos comentar” da Microsoft. No dia seguinte, a empresa disse ao VentureBeat:

Vamos fornecer um mecanismo para PCs não-genuínos rodando Windows 10 se tornarem genuínos através da nova Loja do Windows, seja com versões atualizadas ou compradas do Windows. Teremos mais detalhes sobre isto à medida que nos aproximarmos do lançamento.

E, dois meses depois, os detalhes vieram: sua cópia pirata se “tornará” genuína se você pagar – como sempre foi. Resta ver se os preços serão convidativos desta vez.

Aconteceu uma confusão semelhante com usuários piratas no lançamento do Windows 8. Torcemos que isso não se repita. O Windows 10 será lançado a partir de julho. [Microsoft]