O gerenciador de tarefas decididamente não é a parte mais legal do Windows: na verdade, é o lugar mais temido, onde você precisa ir quando seu PC está em crise. Parte da dor de cabeça era design ruim, mas não mais: o task manager do Windows 8 é bem impressionante.

A Microsoft sabe que o gerenciador de tarefas é um recurso avançado, e não quer que nós o usemos mais – eles querem apenas garantir uma experiência melhor para quando ele for necessário. Todo sistema operacional que se preze tem um gerenciador de tarefas, afinal.

A Microsoft tirou tudo o que estragava o Gerenciador de Tarefas: acabou a lista interminável de ASusUSAUDNHOST.exe, e acabou a lista desordenada de processos. Quando você abre o gerenciador pela primeira vez, ele só mostra seus aplicativos abertos. Ele lembra bastante o menu de Forçar Encerrar (Force Quit) do Mac OS X – um sistema com bom visual e que faz sentido. Geralmente, o que entope sua CPU é um programa travado que você precisa terminar, não um PraQueServeIsto.exe perdido na memória.

Mas e se você precisar ir mais fundo? Às vezes, alguns terríveis processos precisam ser analisados e finalizados. Sem problema: clique em Mais Detalhes, e você terá uma lista completa de todos eles. E não é mais uma lista desorganizada: a Microsoft não só agrupou processos relacionados, como lhes deu nomes mais amigáveis, para você ter pelo menos uma leve noção do que eles fazem. E se você precisar de mais informações, buscar o nome do processo na internet está a um clique de distância.

E o mais legal de tudo? O mapa de calor (heatmap), que mostra os aplicativos, janelas e processos que estão consumindo a maior parte dos seus recursos, permitindo ver com facilidade qual processo está causando problemas, e eliminá-lo na hora. A Microsoft está prestando mais atenção no design, e isso é bom. [Building Windows 8]