A Microsoft diz que o Windows 8 vendido a R$269 nas lojas é a versão de atualização. Mas a caixa não deixa isso explícito; e até vendedores de loja dizem que essa é a versão completa. Agora o Procon-SP se envolve no caso.

Segundo o G1, o órgão de defesa do consumidor vai analisar a embalagem do produto, e decidir se ela deixa “claro e ostensivo” que se trata de uma atualização, em vez do produto completo.

Caso o Procon decida que a caixa não informa direito o consumidor, a Microsoft pode sofrer punições como multa e suspensão das vendas, previstas no Código de Defesa do Consumidor.

A Microsoft já vende uma versão completa do Windows 8 Pro em lojas especializadas, que custa R$419. Em dezembro, a Microsoft deve iniciar o lançamento das versões completas do Windows 8 e Windows 8 Pro em grandes redes varejistas.

No entanto, alguns vendedores em lojas físicas dizem que o Windows 8 da caixinha (por R$269) pode ser instalado “do zero” no computador. E diversos usuários relatam que conseguiram mesmo fazer isso – então, no mínimo, a caixinha funciona como a versão completa. O próprio G1 fez o teste, e instalou o Windows 8 “de atualização” num notebook com Linux. Em tese, ele requer uma instalação prévia do Windows XP/Vista/7 original no computador.

Mas a Microsoft mantém seu posicionamento: a caixinha é somente para atualização. Priscyla Alves, gerente geral do Windows no Brasil, diz ao G1: “O termo de uso que a pessoa aceita é para atualização do Windows original. O que vale é o termo de uso. Fizemos testes e a máquina não deveria ativar a licença.”

A Microsoft tem até o dia 7 para enviar ao Procon-SP uma caixa do Windows 8 Pro para análise. [G1]