Sem atualizações desde 2009, o Windows Media Center não estará presente no Windows 10. Com sete anos de existência, o programa unia formas de entretenimento, como imagens, vídeos e músicas, em um único aplicativo.

>>> Windows 10 chega em julho para PCs, e depois para smartphones, Xbox One e mais



Gabriel Aul, gerente geral de engenharia da Microsoft, confirmou hoje em seu Twitter que a função deixará de existir na próxima atualização da plataforma e afirmou que o Windows 10 terá uma função para rodar DVDs — o principal uso do Windows Media Player até o momento.

Usuários tentando instalar a última versão de testes do Windows 10 serão notificados da exclusão do programa:

wmc-incompatible

O Windows Media Center foi oferecido pela última vez no Windows 7 e uma versão não gratuita foi oferecida no Windows 8 — mas ela não era muito barata (R$340 para usuários do Windows 8 padrão e R$ 32 para usuários da versão Pro) e não adicionava nenhum novo recurso.

O Media Center foi lançado em 2002 em uma edição especial do Windows XP, que permitia ao usuários configurar uma série de sintonizadores de TV no computador, além de reproduzir DVDs e músicas com o auxílio de um controle remoto. Steven Sinofsky, então chefe do Windows, decidiu abandonar o programa em 2009 por questão econômicas e devido a baixa popularidade e uso.

Aos fãs do Windows Media Center, o programa continuará a funciona no Windows 7 e 8.1 (para aqueles que compraram o programa para esta versão) até 2020 e 2023, quando o Windows deixará de dar suporte à estas plataformas respectivamente. [ZDNet]

Foto de capa: navarr/CC