Em abril, quando surgiu forte o rumor de que o Windows Phone 8 não chegaria aos aparelhos atuais, muitos não acreditaram. Impossível! O Windows Phone está perdendo mercado, a Microsoft não daria um tiro no pé! Olha a Nokia, parceira próxima da Microsoft, fazendo um barulho enorme para lançar seu Lumia 900. Eles iriam deixá-lo obsoleto ainda este ano?

Aí a Microsoft confirmou o rumor. Com isso, a Microsoft se colocou numa posição quase paradoxal: ela está terrivelmente errada por “abandonar” de novo uma plataforma.

Mas, ao mesmo tempo, está terrivelmente certa em apostar no futuro.

Windows Phone (quase) 8

A Microsoft já se explicou: as principais novidades do Windows Phone 8 se concentram em hardware – suporte a dual-core, cartão SD, novas resoluções de tela e NFC – que os Windows Phones atuais não têm. “[T]razer todos esses elementos para uma plataforma que não pode usá-los não seria necessariamente o uso mais eficiente de recursos”, diz Greg Sullivan da Microsoft.

Mas essas não são as únicas novidades do Windows Phone 8: várias delas estão no software. Então Microsoft e Nokia vão oferecer alguns truques novos ao sistema. A Microsoft anunciou o Windows Phone 7.8: “basicamente, ele traz os elementos centrais do Windows Phone 8… direto para os celulares já existentes”, diz Sullivan.

Isso envolve a nova (e linda) tela Iniciar, com blocos redimensionáveis – ela chega aos aparelhos atuais. E o que mais? Não sabemos: a Microsoft ainda não revelou todas as novidades de interface no WP8. Outras incertezas também pairam no ar: por exemplo, o Internet Explorer 10 e os mapas da Nokia chegam a todos os aparelhos, ou são exclusivos do WP8? A Microsoft nada disse, então teremos que esperar para ver.

De um jeito ou de outro, a Microsoft se preocupou com os donos atuais de Windows Phone. O mesmo também vale para a Nokia, que avisa: não vai deixar os Lumias de lado.

A Nokia irá oferecer aos clientes de Lumia aplicativos exclusivos, como os Camera Extras, que inclui fotos panorâmicas, temporizador e e fotos em grupos para criar a foto perfeita de pessoas a partir de diferentes imagens; novos recursos para o Nokia Dirigir e Nokia Transporte; e também algumas características como compartilhamento de internet e a função gire para silenciar (uma função tradicional no Symbian).

Apps

Mas por que não passa o gosto amargo de saber que os Windows Phones atuais não serão atualizados? OK, talvez eles não recebam alguns apps centrais, como IE10, novo Mapas e outros. Mas isso não deixa seu celular obsoleto.

Isso deve mudar um pouco, no entanto, com os novos apps voltados para Windows Phone 8. Uma das novidades do WP8 é permitir escrever apps – principalmente jogos – em código nativo, inclusive aproveitando o novo suporte a DirectX. Só que estes apps não vão funcionar no Windows Phone 7.x, como a Microsoft já confirmou à ZDNet.

Isso é chato, mas talvez não seja muito importante – pelo menos não agora. Os aparelhos com Windows Phone 8 – e os apps específicos para ele – devem chegar ao mercado só no fim do ano: todos os 100.000 apps no Windows Phone Marketplace funcionam nos aparelhos atuais. (Nem todos estão disponíveis no Brasil, mas isso é outro papo.) E se o app não for feito especificamente para WP8, ele vai rodar no Windows Phone 7.x.

Abandonando o passado

Talvez nada disso console você. Você quer a última versão do OS no seu aparelho, e nada menos que isso. Eu entendo. Só que você faz parte da minoria: como lembra Kevin Shields, da Nokia, “eu acho que no fim, o consumidor médio provavelmente não está ciente desta história de atualização” – e ele provavelmente está certo. Para quem se preocupa com atualização, no entanto, a Microsoft e a Nokia respondem com o Windows Phone 7.8 e extras. Já é mais que muita fabricante de Android por aí.

Ainda pode ser difícil de entender. Se a Microsoft tinha que abandonar o Windows Phone 7 no meio do caminho, por que não começou direito? Isto é, por que não usou uma base firme para os próximos anos, em vez de permanecer no Windows CE para depois trocá-lo?

Provavelmente porque a Microsoft não tinha outra alternativa. Ela não iria esperar o Windows 8 ficar pronto para lançar o Windows Phone. Senão, iria lançar seu primeiro concorrente ao iOS e Android em 2012. Isso seria loucura! Esperar até 2010 pelo primeiro Windows Phone já foi tempo demais.

OK, a nova base do Windows Phone 8 requer celulares mais potentes. Então por que a Microsoft não exigiu hardware mais potente desde o início? Bem, seria um tiro no pé exigir das fabricantes um hardware que custa mais caro e não pode ser aproveitado. Não faria sentido exigir um processador dual-core, se o Windows Phone 7 não tem suporte a mais de um núcleo. Então por que a Microsoft não colocou suporte a mais de um núcleo já no Windows Phone 7? Seria uma forma de preparar os dispositivos para o futuro, e fazer uma transição mais suave entre os dois sistemas. Sim, eles poderiam tentar remendar o passado – ou se concentrar no futuro.

Aposta no futuro

A Microsoft está colocando as bases para um ecossistema que deve durar por anos e anos no futuro. Não um sistema: um ecossistema. E isso vai além da integração entre tablets, PCs, Xbox e o seu smartphone. É o sonho de Bill Gates desde os anos 80: o Windows em todo lugar.

Uma das novidades do Windows Phone 8 é seu Núcleo Compartilhado: ele tem o mesmo kernel, multimídia e suporte a drivers do Windows 8. Por isso, apps Metro para tablets podem ser facilmente portados para o celular. Como o ExtremeTech bem resume: “dispositivos com Windows Phone 8 serão simplesmente computadores com Windows – PCs na palma da mão com a tela iniciar Metro e sem área de trabalho”.

Ou seja, a nova base do Windows Phone 8 significa que ele pode aproveitar o sucesso do Windows em PCs e tablets – sim, inclusive o Surface. Todos eles terão o mesmo DNA moderno: isto significa jogos potentes com DirectX e código nativo, que os torna mais rápido. Isto significa mais apps e mais possibilidades. Este é um ecossistema no qual dá para contar.

E a Microsoft já sinalizou que o Windows Phone 8 é seu futuro: todos os dispositivos com Windows Phone 8 terão atualizações por no mínimo 18 meses após lançados. E eles virão de outras fabricantes além da Nokia: Huawei, Samsung e HTC manifestaram seu apoio, e devem lançar seus aparelhos a partir do fim do ano em mais de 180 países. Tem mais: suporte a até 64 núcleos de processador, telas HD, pagamentos via NFC com o melhor de Google (Wallet) e Apple (Passbook) – tudo isso é muito bem-vindo.

Com certeza alguns usuários ficaram desapontados por não receber o Windows Phone 8. Mas dificilmente a Microsoft poderia “pular” o Windows Phone 7; os usuários atuais terão suporte dela e da Nokia; e, claro, a Microsoft precisa apostar no futuro – e ele é bem empolgante.