Podemos pensar em duas coisas sobre os comentários de um executivo da Microsoft ao dizer que a Xbox Live “será embutida no PC”. Primeiro, Xbox Live no PC, viva! Talvez eles façam algo mais decente do que o Games for Windows.

Segundo, lembra do papo de que o ainda respirando, mas com ajuda de aparelhos, Zune seria a “marca de entretenimento” da Microsoft? Bem, provavelmente não mais. “[A Live] será o serviço onde você encontrará entretenimento”. Apesar da experiência bacana que o Zune em si traz, o nome simboliza o mesmo que carregar uma bigorna em seu balão. Pesado, bem pesado. Melhor batizar o serviço com um nome que as pessoas gostem, já que é um tipo de produto/serviço que as pessoas provavelmente irão gostar, desde que elas passem do ato de ler apenas o nome.

E seria interessante se a Microsoft pudesse unir a Xbox Live de forma mais concreta e genuína com sua infinidade de plataformas e aparelhos (parte desse mundo chamado “Live” já funciona em alguns produtos diferentes, eu sei, mas o resultado não é exatamente o ideal). Primeiro, porque é assim que as coisas devem ser. E, segundo, o iCloud deixa a Microsoft em uma situação meio ridícula por não ter uma integração tão grande de seus serviços como a Apple. A Apple sempre mandou muito mal na internet. Já a Microsoft não era tão ruim assim! Algo tem que ser feito.

No fim das contas, o ponto é: eu apoio a ideia de unir as plataformas. Confira o comentário completo do executivo, direto do Seattle Times:

A Live já é um sucesso no Windows Phone. Ela estará embutida no PC. Será o serviço em que as pessoas terão entretenimento. Nós estamos conversando sobre a ideia — você não verá apenas consoles e smartphones no próximo ano, o show irá morfar para outros aparelhos também.

[Seattle Times]