A Xiaomi já fabrica smartphones, patinetes, aspiradores de pó e vários outros aparelhos para uso doméstico. Mas a empresa pode estar prestes a apostar em outro mercado: o de veículos. É o que afirma um rumor publicado pela Reuters nesta quinta-feira (25), que diz ter ouvido fontes que sabem do projeto e garantem que a gigante asiática começará em breve a fabricar carros elétricos.

Três fontes anônimas que estão familiarizadas com o assunto declararam à agência de notícias que os automóveis devem ser fabricados na empresa Great Wall Motor Co Ltd, uma das maiores montadoras de veículos da China. A montadora não costumava produzir veículos de outras companhias, mas a Xiaomi seria uma exceção. A fabricante de smartphones ainda deve receber consultoria de engenharia para agilizar o projeto, que deve estrear o primeiro carro em 2023.

Os informantes também dizem que o foco é produzir carros para o “mercado de massa”, o que significa que os modelos serão voltados para o consumidor final. Um dos diferenciais é que os automóveis teriam integração com uma ampla gama de produtos da Xiaomi, de smartphones e fones de ouvido a gadgets que até então estavam restritos a uso dentro de casa.

O anúncio oficial dos supostos carros elétricos da Xiaomi pode acontecer já no início da próxima semana. Nem a Xiaomi, nem a Great Wall quiseram comentar os boatos, mas as ações das duas companhias subiram 6,3% e 10,4%, respectivamente, após a divulgação da notícia pela Reuters.

Assine a newsletter do Gizmodo

A Reuters também destaca que entrar no mercado de carros elétricos é uma forma de a Xiaomi ampliar sua participação em outros setores, evitando ficar tão dependente de dispositivos móveis e domésticos. Ainda mais no momento atual, que várias indústrias enfrentam uma escassez de chips e componentes usados na produção de eletrônicos de consumo, incluindo carros.

Um veículo elétrico da Xiaomi também seria uma resposta da companhia a um dos rumores mais quentes dos últimos tempos: de que a Apple estaria à procura de uma montadora para fabricar um carro. A Huawei também estaria flertando com a mesma ideia.

[Reuters]