O Galaxy Fold da Samsung e o Mate X da Huawei representam duas abordagens distintas no que diz respeito ao design de celulares dobráveis. Um novo vídeo promocional do Mi Fold da Xiaomi, porém, mostra que mais combatentes ainda estão por vir para as próximas batalhas da guerra da flexibilidade móvel.

Com um design de duas dobras, o Mi Fold usa uma tela central fixa com duas asas que se desenrolam de ambos os lados. A ideia central do design tem mais em comum com o Mate X do que o Galaxy Fold. Isso porque, como o Mate X, o aparelho da Xiaomi tem uma tela flexível que se dobra para fora e não para dentro. A principal diferença é que ele precisa de duas dobradiças para revelar totalmente sua grande tela flexível.

Embora isso possa não parecer tão importante, o design de articulação dupla do Mi Fold significa que, quando totalmente expandido, sua tela está mais próxima da tradicional proporção 16: 9 usada em telefones e tablets tradicionais do que o Galaxy Fold e o Mate X, que ostentam telas quase quadradas. Essa diferença torna o Xiaomi o melhor celular dobrável para assistir a filmes e programas de TV — o espaço que ele perderia com ajustes de tela e barras pretas seria mínimo.

Além disso, a tela principal do Mi Fold parece oferecer outra vantagem, especialmente em comparação com o Galaxy Fold da Samsung. Depois de ver o Mi Fold e ter a chance de usar um pouco o Mate X, eu acho que a maior fraqueza do Galaxy Fold da Samsung não é sua espessura ou seu suposto vinco, mas sim a pequena tela exterior, de apenas 4,6 polegadas.

No mercado de smartphones de hoje, encontrar um dispositivo com uma tela menor que cinco polegadas é quase impossível. O tamanho de 4,6 polegadas, portanto, parece minúsculo. E, para piorar a situação, o tamanho dela em relação às dimensões externas reais do Galaxy Fold criam a impressão de que muito espaço é desperdiçado por sua moldura.

A preocupação é que, com uma tela tão pequena, fazer coisas do dia a dia no dobrável da Samsung (como procurar rotas, navegar na web ou tirar uma foto) vai ser muito difícil, a menos que você abra totalmente o dispositivo — algo que talvez você não queira fazer enquanto caminha pela rua.

Por outro lado, o Mi Fold também não é perfeito. A principal desvantagem do design da Xiaomi é que, embora a parte central da tela do Mi Fold ofereça muito espaço para aplicativos, ela também é bastante ampla, mesmo quando suas asas estão dobradas. Isso poderia tornar o aparelho desajeitado e incômodo. Além disso, o Mi Fold parece ser tão ou mais espesso que o Galaxy Fold — o aparelho da Samsung deve ter algo entre 15 e 17 milímetros.

No entanto, a coisa mais interessante sobre o Mi Fold é que ele pode ser o telefone dobrável mais barato até o momento. Atualmente, a Xiaomi tem uma política que determina que as margens de lucro da divisão de hardware da empresa nunca serão superiores a 5%, uma estratégia que permite a ela vender dispositivos como o Xiaomi Mi 9 por menos de US$ 450, mesmo que esse celular tenha especificações de topo de linha.

Mesmo assim, ainda estamos falando de algo que custará em torno de US$ 1.000. Mas, ao comparar com os preços de US$ 2.000 e US$ 2.600 para o Galaxy Fold e o Mate X, a ideia de comprar um telefone dobrável parece muito menos ridícula.