Tudo bem ter vídeos que podem me ofender no YouTube? Segundo a CEO do YouTube, Susan Wojcicki, sim. Em uma carta recém-publicada, ela argumenta sobre a importância de as pessoas poderem postar o que quiserem e que tudo bem ter alguns “conteúdos problemáticos’ na plataforma. No entanto, a coisa não é tão simples quanto parece. Voltaremos ao assunto mais adiante.

Intitulada “Preservando a abertura por meio da responsabilidade” e postada no blog da plataforma, a executiva fala da importância de o YouTube ser uma plataforma aberta, e que isso é um dos segredos de o serviço de vídeos inspirar vários criadores e a gerar empregos ao redor do mundo. Para embasar isso, ela cita que no Canadá foram gerados 28 mil empregos ligados à atividades relacionadas ao YouTube. É comentado ainda o impacto educacional de vários youtubers, como o feito pelo Iberê Thenório, do Manual do Mundo, que aparentemente está com bastante moral com a chefia.

Brincadeiras à parte, o importante na carta de Susan está um pouco mais abaixo. Aqui vai o que ela diz (grifo nosso) sobre vídeos problemáticos:

Ter compromisso com a abertura não é fácil. Às vezes isso significa permitir conteúdos que estão fora do mainstream, controversos ou mesmo ofensivos. No entanto, acredito que ouvir uma ampla gama de perspectivas nos torna uma sociedade melhor informada e mais forte, mesmo se nós discordamos dessas visões. Uma grande parte em como protegemos nossa abertura não é só em diretrizes que permitem a diversidade de conteúdos, mas os passos que estamos tomando para garantir a responsabilidade da comunidade. Já disse algumas vezes durante este ano que isto é minha prioridade número um. Uma abordagem responsável relacionada ao gerenciamento de nossa plataforma para proteger nossos usuários e criadores, como vocês. Isso também significa que nós continuaremos a promover todo o bem que vem de uma plataforma aberta.

Conteúdos problemáticos representam uma fração de 1% dos conteúdos do YouTube e estamos constantemente trabalhando para reduzir ainda mais. Esta pequena porcentagem tem um impacto muito grande, tanto no dano potencial aos nossos usuários, como na perda de fé em nosso modelo que possibilitou o crescimento de nossa comunidade criativa. Uma noção errada que ouvimos é que hesitamos em tomar ação com conteúdos problemáticos, pois isso beneficia nosso negócio. Isso não é verdade — de fato, o custo de não ter tomado ação suficiente acabou resultando na perda de confiança de nossos usuários, anunciantes, você e nossos criadores. Nós queremos ganhar essa confiança.

A ideia geral do YouTube parece ser permitir que as pessoas possam postar o que elas quiserem, pois isso amplia a compreensão sobre os mais distintos temas. Além disso, a rede parece ter ciência de que sempre vai acabar desagradando algum tipo de grupo. Paralelo a isso, a plataforma, em junho deste ano, implementou uma nova política que promete condenar vídeos que “afirmem a superioridade de um determinado grupo como justificativa para discriminação, segregação ou exclusão com base em características como idade, gênero, raça, casta, religião, orientação sexual ou situação de veterano de guerra”.

O YouTube tem sido alvo de críticas por ter auxiliado a promover conteúdos problemáticos por serem mais engajantes. Uma reportagem recente do New York Times chegou a dizer que a rede ajudou no processo de radicalização política no Brasil. Mais recentemente, o Manual do Usuário publicou uma reportagem apontando como canais e vídeos de extrema-direita foram impulsionados pelos algoritmos da rede durante as eleições de 2018.

A rede argumenta que as alterações prometidas previamente em seu algoritmo para evitar recomendação de conteúdos contra a política do YouTube já foram implementadas em alguns países — o Brasil deve receber isso em breve.

Fora isso, a rede promete destacar mais conteúdos de autoridades em determinados assuntos em sua página inicial. Além disso, a companhia tem planos de direcionar mais propagandas para canais qualificados.

A mensagem do YouTube parece ser: poste aí o que você quiser, mas se for contra nossa política, nós vamos reduzir o alcance, remover a monetização ou até mesmo apagar da plataforma em última instância. A tarefa não é nada simples e, no meio do caminho, pode haver injustiças, como já ouvimos falar anteriormente. De nossa parte, só resta verificar a efetividade dos planos do YouTube até alguém achar alguma forma de enganar os algoritmos do serviço.