O Facebook prometeu, mas falhou em cumprir a promessa de não promover grupos políticos

Um relatório do site Markup verificou que a rede social continuo fazendo sugestões de grupos com cunho político aos usuários.

Imagem: Samuel Corum (Getty Images)

Apesar das repetidas vezes em que o Facebook garantiu não recomendar grupos relacionados com política para seus usuários a fim de diminuir a propagação de informações falsas, a verdade é que, no final das contas, foi exatamente isso o que aconteceu.

De acordo com uma reportagem do site Markup publicada na última terça-feira (19), a rede social ainda está recomendando que os usuários ingressem em grupos políticos. Isso mesmo após a companhia ter destacado em um post, em janeiro deste ano, que a plataforma “não estava indicando grupos cívicos para as pessoas participarem”.

A apuração do Markup constatou que 12 dos 100 principais grupos recomendados pelo Facebook, em uma amostragem de 1.900 usuários, tinham cunho político. Eles escrevem:

Encontramos 12 grupos políticos entre os 100 principais grupos recomendados para mais de 1.900 usuários do Facebook em nosso projeto Citizen Browser, que rastreia links e recomendações de grupos à mostra em um painel nacional de usuários do Facebook… O Facebook indicou grupos políticos com mais frequência para eleitores de Donald Trump em nosso painel. Quase um quarto dos 100 principais grupos sugeridos aos eleitores de Trump eram políticos – e os grupos políticos representavam metade dos 10 principais grupos recomendados aos eleitores de Trump.

Além disso, o Markup descobriu que vários dos grupos mostrados aos apoiadores de Trump incluíam postagens pedindo violência política, espalhando teorias da conspiração ou discutindo a logística de participar de um comício extremista em 6 de janeiro em Washington, que veio a se tornar a invasão ao Capitólio, o Congresso dos EUA, resultando em cinco mortes.

Cerca de 8% dos apoiadores de Trump receberam recomendações para se juntar a um grupo chamado “Rudy Giuliani [Common Sense]”, em que uma das postagens pedia que o governador e o secretário de estado da Geórgia fossem executados por enforcamento. Outros 19% foram recomendados para ingressar em um grupo que anunciava um evento “#StormTheCapitol” em 30 de dezembro de 2020. Aproximadamente um em cada cinco apoiadores do Trump também recebeu recomendações para ingressar no “Tucker Carlson Fox News”, bem como no “Kayleigh McEnany Fan Club”.

Os 1.900 usuários receberam recomendações para se juntar a 97.443 grupos diferentes, a maioria dos quais não tinha qualquer tendência ou associação à política. Os eleitores de tendência democrática também receberam convites para grupos de cunho politico – muitos dos quais estavam cheios de memes anti-Trump – em uma taxa menor. No entanto, o Markup alertou que o conjunto de dados captura apenas uma quantidade minúscula de recomendações aos usuários do Facebook nos EUA e “inclina os mais velhos, mais educados e mais brancos do que a população em geral, e [é] particularmente escasso em eleitores de Trump [508 na amostra] e latinos”. O conjunto de dados do Markup está disponível no Github.

O Facebook não esclarece como avalia se um determinado grupo se dedica ou não a questões “políticas e sociais”, embora apenas um dos grupos da amostra tenha se autodenominado voluntariamente sobre política. Em um exemplo de porque este não é necessariamente o melhor sistema, um administrador de um grupo pró-Trump disse ao Markup que eles não tinham uma mente política, mas sim “para um homem que eu sei que pode mudar o futuro e fazer o bem para este país”.

O próprio Facebook sabe que suas ferramentas de recomendação, que visam manter os usuários engajados com outras pessoas no site por longos períodos de tempo, podem ser usadas para alimentar grupos mal intencionados. Um relatório do Wall Street Journal em maio de 2020 reafirmou a conclusão de uma pesquisa interna do Facebook, que descobriu que “64% de todas as associações de grupos extremistas se devem às nossas ferramentas de recomendação”.

A empresa afirmou estar tomando medidas importantes para bloquear certos recursos desde a temporada de eleições. Mesmo assim, permitiu que anúncios de equipamentos militares e de sobrevivência fossem veiculados ao lado de conteúdo que impulsionava as teorias de conspiração eleitoral e notícias sobre a rebelião no Capitólio. Reportagens do Washington Post e do New York Times mostraram que o conteúdo de extrema direita continuou a proliferar no Facebook antes do motim do Capitólio, incluindo a hashtag #StopTheSteal. Pelo menos uma dúzia de grupos afiliados ao Partido Republicano e indivíduos que coordenavam o transporte de apoiadores para o ato golpista também tiveram origem no Facebook.

O Facebook também é amplamente responsável pelo crescimento explosivo do QAnon, uma teoria da conspiração que acredita que os políticos democratas e celebridades fazem parte de uma conspiração satânica que controla o governo e estupra crianças. Os grupos QAnon não foram proibidos até outubro, e os que foram excluídos discutiam violência – todos os outros temas continuaram na ativa.

“Temos uma política clara contra a recomendação de grupos cívicos ou políticos em nossas plataformas e estamos investigando por que eles foram recomendados em primeiro lugar”, disse em comunicado o porta-voz do Facebook, Kevin McAlister, ao Markup.

Sair da versão mobile