As falhas Meltdown e Spectre não deixam a Intel em paz. Elas fizeram a companhia iniciar o ano com o pé esquerdo ao afetarem praticamente todos os processadores produzidos nos últimos dez anos e, apesar de empresas que aplicaram as soluções da Intel afirmarem não sofrerem com tanta queda de desempenho – que pode chegar a até 30% — o criador do Linux não está nem um pouco impressionado com a atitude da Intel para corrigir essas brechas.

• Intel afirma ter corrigido 90% dos processadores, mas variações de ataques podem surgir em breve
• Esta é a queda de desempenho nos processadores Intel pós correção do Meltdown e Spectre
• Intel prepara nova correção para falhas em CPUs após primeira fazer máquinas reinicializarem

Em uma troca de e-mails pública entre Linus Torvalds, criador do Linux, e David Woodhouse, engenheiro da Amazon, o pai do sistema operacional aberto chama as atualizações da Intel de “lixo total e completo”.

Torvalds se irrita com o fato da companhia ter afirmado recentemente que venderá seus chips futuros – pelo menos pelos próximos anos – ainda vulneráveis às falhas. O que torna a correção do Spectre algo opcional, em vez de um sério bug que deveria ser corrigido, como explica o The Verge.

Isso, com razão, irritou Torvalds. “A Intel realmente planeja tornar essa merda parte da arquitetura?”, perguntou no e-mail. O desenvolvedor quer que futuros processadores não venham a sofrer quedas de desempenho.

A Intel afirmou ao The Register que está em contato com a comunidade do Linux, incluindo Linus Torvalds, e que “espera trabalhar em conjunto em busca de soluções”.

A companhia prometeu corrigir a maior parte dos processadores afetados ainda este mês, mas o patch que publicou causou ainda mais problemas – alguns computadores reiniciavam sozinhos após a correção ser aplicada.

Torvalds também crê que a Intel está fazendo uso dos patches destinados ao Spectre e Meltdown para corrigir falhas de segurança menores e menos importantes, fazendo parecer que diversos problemas são corrigidos, mas mantendo os erros das brechas reveladas no início do ano, como explica o TechCrunch.

Outra questão apontada por Torvalds no e-mail é que para aplicar a correção aos problemas, o usuário precisa habilitá-la enquanto o computador inicializa – o que o desenvolvedor vê como uma forma da Intel se esquivar de possíveis responsabilidades para o caso de máquinas corrigidas desenvolverem lentidão.

A Intel identificou o que vinha causando as máquinas a reiniciarem nessa segunda (22) e pede agora que usuários, fornecedores e fabricantes ignorem a correção anterior e esperem pela próxima.

[The VergeThe RegisterTechCrunch, The Next Web]