O ex-CEO da Time Warner disse, em uma frase já famosa, que a fusão da empresa com a AOL foi “o pior negócio do século“. Mas pelo menos ali rolou uma combinação de duas empresas lucrativas. A história que ouvimos sobre o Twitter se fundir com o Tumblr é bem mais absurda.

Ambas as empresas estão sangrando dinheiro, pelo que sabemos. O Twitter está perdendo dezenas de milhões de dólares trimestre atrás de trimestre, de acordo com os resultados financeiros de 2010 e 2011 que tivemos acesso, e isso foi antes de o serviço dobrar o número de funcionários para cerca de 900 empregados. O Tumblr basicamente não rende dinheiro — o “Wall Street Journal“, em agosto, chamou a receita da empresa de 45 funcionários de “escassa” e “basicamente experimental”, o que é a realidade desde que a plataforma de blogs foi lançada há quase cinco anos.

Mesmo assim, comprar o Tumblr seria caso. A última rodada de investimentos na empresa, em 2011, avaliou o Tumblr em US$800 milhões. Aparentemente a proposta do Tumblr de imagens frenéticas, curadores de soft porn, piadas e memes, uso indevido de cultura pop, favorecimento mútuo e pequenas violações de copyright tem bastante apelo não só com jovens.

Apesar do valor alto do Tumblr, o Twitter foi atrás da empresa, de acordo com uma fonte próxima ao caso, buscando um acordo ao oferecer parte do patrimônio do Twitter, que foi avaliado recentemente em US$8,4 bilhões. A ideia, segundo nós ouvimos, seria adicionar um novo canal no Twitter onde seria possível vender mais publicidade. É quase certo que o Twitter não poderia fazer uma aquisição dessa pagando apenas em dinheiro; ele levantou cerca de US$760 milhões — o que, nesses tempos de bolha, provavelmente não é o bastante para comprar uma rede de microcompartilhamento como o Tumblr, e dane-se a falta de receita.

O Twitter não quis comentar o assunto. Questionado sobre uma proposta de aquisição do Twitter, John Maloney, presidente do Tumblr, disse que trata-se de um “falso rumor”.

Obviamente, a história pode não ter progredido até o estágio de uma proposta formal. O Tumblr pode ter indicado rapidamente, mesmo em conversas informais, que não está à venda. (A “Business Insider” afirma que houveram “encontros de longas horas entre [o CEO do Tumblr, David] Karp e [o chefe do Twitter Jack] Dorsey na Alemanha, durante a DLD”, no ano passado.)

No entanto, o Twitter tinha outros planos. A empresa acabou comprando uma plataforma de blogs bem menos impactante, o Posterous, que tem cerca de 8% de investimento se comparado ao Tumblr, levando para casa o que alguns chamaram de “prêmio de consolação”.

Que bom que isso aconteceu. É difícil imaginar o que aconteceria com a junção de duas empresas supervalorizadas e pouco lucrativas como o Twitter e o Tumblr. Além de perderem muito dinheiro, ambas as empresas estão tentando encontrar uma estratégia de negócios, mesmo depois de cinco e quatro anos após suas fundações, respectivamente. Uma combinação dessa não harmonizaria o caos, dadas as diferenças de liderança nas empresas; uma delas é dirigida por um bon-vivant que curte carros e viva na costa leste dos EUA, a outra é liderada por um ex-consultor de gestão que dá aulas de liderança e faz listas de “principais valores da empresa” na costa oeste.

A mudança seria particularmente arriscada para Dick Costolo, CEO do Twitter há 17 meses e que, segundo ouvimos, vem sofrendo pressão interna na empresa.

Talvez Costolo mereça mais créditos. Como um executivo de tecnologia nos disse, empresas pré-IPO, como o Twitter, geralmente não fazem grandes aquisições, preferindo abocanhar pequenas empresas. É difícil fazer a matemática funcionar quando você não está aberto no mercado e é mais difícil obter ações. Mas, para o bem e para o mal, historicamente o Twitter não tem seguido exatamente as regras de mercado.