O espaço é incrível e ainda bem que existem agências que financiam missões de pesquisa para explorarmos as coisas que estão muito, muito longe do nosso planeta. Nesta quarta-feira (20), a NASA anunciou duas novas potenciais missões robóticas: uma para o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko e outra para a lua Titã, de Saturno.

Essas missões são as finalistas de 12 propostas enviadas ao programa New Frontiers, que começou em abril. Apenas uma delas seguirá em frente e será iniciada em algum momento da década de 2020.

No ano passado, vimos o fim da sonda Rosetta da Agência Espacial Europeia ao se chocar com o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko. A NASA selecionou o projeto Comet Astrobiology Exploration Sample Return, ou CAESAR, para completar a missão Rosetta. A CAESAR espera trazer um pedaço do cometa de volta para a Terra. Steve Squyres da Universidade Cornell irá liderar o projeto.

Os cientistas acreditam que o cometa possui o material do início do nosso sistema solar. Coisas como gelo milenar, rochas e até mesmo moléculas complexas baseadas em carbono. Trazer uma amostra física para a Terra ajudará a descobrir como esses materiais influenciaram a formação do nosso próprio planeta.

A NASA também irá financiar o Dragonfly, que é literalmente um quadricóptero super tecnológico que poderia explorar diversos locais da superfície da lua gigante de Saturno, a Titã. A Titã é a segunda maior lua no sistema solar, maior do que o planeta Mercúrio para se ter uma ideia, e tem uma densa atmosfera. Elizabeth Turtle do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins irá liderar essa missão.

Titã é meio esquisitona – ela tem oceanos como os nossos, mas com hidrocarbonetos em vez de água. O planeta é cheio de carbonos complexos próprios – como o cianeto de vinilo que poderia formar estruturas “semelhantes a membranas“. Ela tem carbono em sua atmosfera, também, bem como uma precipitação similar a que experimentamos na Terra. Basicamente, a lua poderia abrigar um tipo de vida muito estranho.

A NASA irá financiar parcialmente dois outros conceitos para prepará-los para competições futuras. Um, chamado ELSAH, foi projetado para encontrar maneiras de descontaminar sondas espaciais para que possamos encontrar vida. O outro, VICI, é uma missão projetada para resistir às condições difíceis em Vênus.

Nós não veremos as duas missões sendo lançadas, infelizmente. A NASA financiará ambas até o final de 2018 para permitir que as equipes amadureçam os conceitos. Em 2019, a agência americana irá selecionar só uma delas para seguir em frente.

Estou no time da missão para Titã, pessoalmente. Mas que o melhor conceito vença.

[NASA]

Imagem do topo: NASA