Temos um candidato a Elon Musk brasileiro, pelo menos no que diz respeito à mobilidade urbana. O ex-piloto de Fórmula 1 Lucas di Grassi pretende “revolucionar a mobilidade no mundo” com sua nova empreitada: a empresa EDG e sua Niobium e-Bike, uma bicicleta elétrica com autonomia de 100 quilômetros.

A bicicleta é fruto de uma parceria entre a EDG, a Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) e a Eletric Dreams. As empresas decidiram usar o aço-nióbio na fabricação do quadro, por ser um material mais resistente e leve do que o aço tradicional, e por isso o nome excêntrico. A bike pesa só 15 quilos e tem um motor de 700 W, que consegue atingir 50 km/h. Toda essa velocidade, no entanto, não poderá ser aproveitada o tempo todo: a legislação brasileira permite velocidade máxima de 25 km/h. Por isso, o próprio software embarcado na bike realizará essa restrição.

Falando em software, a bike permanece conectada com um smartphone Android ou iOS via Bluetooth, que faz a comunicação com um app específico. Neste aplicativo, é possível checar a carga de bateria restante, em que velocidade você está, a velocidade do pedal, além de realizar um registro de falhas no sistema. Você também poderá optar entre três modos: sem auxílio elétrico, com auxílio de 100 W ou de 350 W.

Em uma versão futura do app, haverá um GPS, no qual a aplicação também fará o travamento geográfico da bike para o caso de algum furto e a bike ultrapassar certo perímetro pré-estabelecido pelo usuário. Sabendo que tudo isso pode ser um pote de ouro na era de dados valiosos, questionamos a política de privacidade da EDG, e a assessoria de imprensa da companhia se limitou a dizer que “o principal objetivo é velar pela segurança e privacidade dos dados do usuário”. Não ficou claro se a empresa compartilhará os registros de cada usuário com terceiros, nem qual empresa desenvolverá o mapa.

A bateria é de íons de lítio e tem tecnologia automotiva e carregamento rápido com um cabo USB-C. A EDG promete que, em uma hora, será possível realizar uma carga para mais 25 quilômetros de autonomia. Di Grassi aproveitou uma tecnologia conhecida na Fórmula 1 pra dar uma mãozinha na eficiência energética: o freio dianteiro Kers converte a força extra para realimentar a bateria, e o freio traseiro é magnético, capaz de fazer o controle de velocidade mesmo em descida.

O criador da bike diz que cada carga dos 100 quilômetros custará R$ 0,20. “É o menor custo por quilômetro rodado, o que é 167 vezes mais eficiente do que um automóvel leve”, explica. A ideia ambiciosa de revolucionar a mobilidade não para na bicicleta em si: o modelo de negócios da EDG é bem diferente. Em vez de comprar o produto, será possível fazer um plano de assinatura mensal; uma espécie de Netflix da mobilidade, explica a assessoria.

O preço desse aluguel? R$ 190 por mês, mesmo valor mensal do Bilhete Único da cidade de São Paulo (sem integração entre ônibus e trilhos). Quem não curtir a ideia poderá comprar, mas ainda não há um preço definido. A companhia afirma que a bike deve sair no mercado “abaixo dos R$ 10 mil”, mas o custo final vai depender da quantidade de impostos que incidirem sobre o produto. A intenção é produzir a bicicleta em São Paulo, mas a alíquota de IPI para bicicletas elétricas é a mais alta entre todas as categorias. A bike está em pré-venda e o envio deve começar no início de 2018.

As ideias de Di Grassi, que parece um cara bem preocupado com sustentabilidade, vão além. Ele quer utilizar as baterias de segunda vida de suas bikes elétricas para alimentar um contêiner com painel solar, que funcionaria como as estações de bicicletas que existem nas cidades, como as do Itaú que ficam espalhadas por São Paulo. Outro objetivo da EDG é lançar uma versão da Niobium e-Bike para transporte de carga.

Basicamente, Di Grassi quer ser o Elon Musk do Brasil. Com bikes.

Imagens: EDG