E depois de anunciar seu novo Kindle, Jeff Bezos mostrou hoje o novo Kindle Fire de 7 polegadas, o divertido tablet da Amazon: mais barato, com novo processador, duas vezes mais memória RAM, 40% mais performance, bateria de maior duração. Para completar a festa, um modelo de 8,9 polegadas também surgiu — por 299 dólares. É a festa do Kindle! E, mais do que nunca, com foco em conteúdo e serviços — o que, segundo Bezos, é a razão do sucesso do aparelho.

Bezos começou a apresentação dizendo que as pessoas não querem os tablets com Android comuns porque eles são “apenas gadgets”, e o povo não quer isso. O povo quer “serviços”, quer experiências. E Bezos tem números ao seu lado: o Kindle Fire já representa, nos EUA, 22% do mercado de tablets. Agora, pra ganhar mais espaço, um novo Kindle Fire, com novos truques — e ele começa a ser vendido em pré-venda hoje, nos EUA, por US$159. Sim, mais barato do que antes. E com duas vezes mais memória RAM, um processador atualizado (mas não divulgado, por enquanto), o que garante, segundo a Amazon, 40% mais performance — além de uma bateria com maior duração.

Mais barato porque agora há também um modelo de 8,9 polegadas e um de 7 polegadas que fazem parte da família Kindle Fire HD. O bichinho de 8,9″ parece bem animal: tela com resolução de 1920 por 1200 pixels, com 254ppi e IPS, 8,8mm de espessura, 566 gramas e um processador OMAP4470 (dual-core, com clock de 1.8GHz). Ele fica mais animal ainda quando descobrimos que ele custa  US$299. Sim, a Amazon fez um tablet completo, de alto nível, bem mais barato do que o principal concorrente, o iPad. Teremos uma bela disputa pela frente. Ele começa a ser vendido hoje mesmo, nos EUA, mas seu prazo de entrega é um tanto distante: 20 de novembro.

Já o modelo mais básico, de 7 polegadas, custará US$199, com tela HD, 16GB, e todos os truques do irmão mais velho, mas com uma tela mais compacta. Este começa a ser vendido hoje também, mas há um prazo de entrega mais curto: 14 de setembro.

Bezos destacou a presença de dois alto-falantes nos aparelhos, algo que o iPad não tem, mas precisamos dar uma olhada melhor nisso — já vimos tablets com Android e dois speakers com resultados bem estranhos. Mesmo assim, o foco aqui é que assistir a um filme sem fones no tablet será bem possível — e é isso que a Amazon quer, que você (ou melhor, os americanos) aluguem filmes, comprem livros e músicas e convivam em seu ecossistema.

Há um diferencial bem matador no novo Kindle Fire: Whispersync for Voice. É o Whispersync — o sistema que a Amazon usa para sincronizar todos seus livros em todos os seus gadgets — sincronizando as palavras de seu livro com o audiobook do mesmo, caso você o tenha. Isso parece bem animal. Dá até para sincronizar a progressão dentro de games. A versão expandida do Whispersync se combina com outra novidade chamada Immersion Reading, que permite que você ouça a narração do livro enquanto o lê.

Bezos também focou um bocado nas antenas Wi-Fi do Kindle Fire HD, que pega frequências de 2.4GHz e 5GHz. Para quem quer viver de streaming, faz sentido dizer que “o Wi-Fi importa”. Há o uso da tecnologia MIMO, que impede que as mãos do usuário e outras peças no ambiente afetem a performance do Wi-Fi, o deixando livre para usar todas as antenas disponíveis. O Kindle Fire quer que sua internet seja fluída de verdade. No telão, um comparativo mostrava que os principais concorrentes da Amazon no ramo, o iPad 3 e o Nexus 7, não tem o mesmo poder. E, sim, a Amazon agora é concorrente mais do que real dessas empresas. Antes focada em serviços, ela quer ser tratada com uma empresa de hardware, e o novo lançamento deixa isso mais e mais claro.

Como a ideia é que as pessoas baixem mais coisas, é comum deduzir que boa parte do conteúdo será em HD. E aí os 8GB do Kindle Fire original podem ser um copo de cachaça para uma garrafa de Coca-Cola de 3 litros. Por isso, o Kindle Fire HD tem como base 16GB de espaço interno, mas faltou dizer até quantos GB serão vendidos. Ele é também o primeiro Kindle Fire a ter uma câmera, mas ainda faltam detalhes sobre o que temos neste sensor. E, já que o foco é velocidade, a Amazon guardou uma carta na manga para o final: um modelo com 4G LTE será vendido nos EUA, com um plano anual de 250MB por US$49, e o aparelho custará US$499.

Para completar, Bezos anunciou que desenvolvedores já preparam alguns apps importantes para o formato de 8,9 polegadas — Facebook, Skype e um novo cliente de email estão na lista. E a Amazon quer se aproximar mais dos desenvolvedores. E isso faz mais sentido do que nunca: de um lado, ela emparelhou o preço do Kindle Fire com o Nexus 7, e travará uma bela batalha com ele. Na outra ponta, a Amazon quer enfrentar o dono do trono no reinado dos tablets — o iPad. Pelo que vimos hoje, a disputa será mais do que interessante — e boa para todos nós.