A “Technology Review” fez um negócio óbvio com seu acesso ao Wolfram Alpha: comparou a ferramenta de busca computacional com o Google. Os resultados? O Wolfram Alpha não é nenhum Big G. É completamente diferente, mas fantástico.

Seus autores nunca apreciaram o rótulo sensacionalista “Google Killer!” e o fazem bem: o Wolfram Alpha é excelente na interpretação de grandes conjuntos de dados (data sets) e apenas nisso. Um revelador exemplo desse contraste, na prática:

TERMO DE BUSCA: Sydney New York

WOLFRAM ALPHA: Tive tabelas mostrando a distância entre as duas cidades em milhas, quilômetros, metros, até mesmo milhas náuticas; um mapa do mundo com o caminho de voo ideal; e o fato de que a viagem se estende por 0,4 da circunferência da Terra. Aprendi o quanto duraria fazer a viagem: 18,1 horas voando, 13 horas para uma onda de som, 74 milissegundos para um feixe de luz em fibra, e 53 milissegundos para um feixe de luz viajando no vácuo. Também tive populações comparativas, elevação em metros e horários locais atuais.

GOOGLE: Tive uma mistura de coisas: um formulário para achar voos entre Sydney e Nova York; uma lista no Google Maps de negócios em Nova York que contêm a palavra “Sydney”; e links para o governo municipal de Sidney, uma pequena cidade no interior de Nova York.

 
Ele é também um grande nerd:

TERMO DE BUSCA: Aspirin Tylenol

WOLFRAM ALPHA: O Alpha retornou diagramas molecurares para aspirina e acetaminofeno e montes de informação científica comparando seus pesos moleculares, pontos de ebulição, pressão de vapor e assim por diante.

GOOGLE: Muito útil (para não-químicos sofrendo de dor de cabeça), o link no topo era para uma página do Wiki-answers que diz às pessoas se elas podem tomar aspirina e Tylenol juntos. Outros links davam informações sobre toxicidade, perigo para os rins e coisas assim.

 
Em outras palavras, o Wolfram Alpha é como uma versão reforçada e orientada à pesquisa dos extras computacionais do Google (preços de ações, calculadora, conversor de unidades), mas com síndrome de Asperger.

Estou ciente das diferenças teóricas entre os dois e tenho certeza de que os criadores do Wolfram Alpha não gostariam muito de ouvir isto, mas o uso mais natural da ferramenta deve ser como um complemento direto ao Google, como uma aba na homepage dele ou como um substituto às suas modestas funções que não são de busca.

O “TR” fez vários outros testes comparativos de busca e dá uma boa ideia do que você pode esperar quando a ferramenta finalmente se tornar pública. [Technology Review]