Senta que vem história boa!

Muita gente não sabe, mas há 200 anos, um matemático inglês desenvolveu uma máquina de calcular movida a vapor que tinha algumas características dos computadores atuais.

O responsável pela engenhoca se chamava Charles Babbage, que viveu entre 1791 e 1871. Há quem chame ele de “pai da computação”.

Trabalhando como matemático, principalmente no cálculo de funções, Babbage desempenhou um papel proeminente na fundação da “Astronomical Society” (mais tarde rebatizada para “Royal Astronomical Society”), em 1820. Foi nessa época que ele começou a se interessar por máquinas de calcular.

Como era o “computador”

Em 1821, ele inventou o mecanismo que daria origem à máquina para compilar tabelas matemáticas. A ideia é que ela fosse capaz de ser programada e realizar qualquer tipo de cálculo. O trabalho dele deu origem ao “Motor Diferencial”, sendo um dos melhores exemplos de engenharia de precisão da época.

Charles Babbage. Imagem: University of Minnesota/Reprodução

Muito além do seu tempo

Por mais que o projeto tenha sido promissor –inclusive com o apoio de instituições científicas– ele excedia as tecnologias que existiam na época.

Em 1832, o governo britânico suspendeu o financiamento da Máquina Diferencial. Mesmo assim, o projeto continuou sendo desenvolvido, com um protótipo sendo concluído em 1834. Porém, em 1842, sem atingir grandes sucessos, o trabalho foi prematuramente encerrado.

O filho de Babbage, Henry Prevost Babbage, tentou continuar o trabalho do pai, mas também falhou, com a máquina executando alguns programas com erros.

Ideia persistiu

Posteriormente, em 1854, o sueco George Scheutz conseguiu construir uma máquina tendo como base os designs do mecanismo de Babbage. Essa máquina imprimia tabelas astronômicas com uma precisão sem precedentes, e chegaram a ser usadas para outras finalidades pelos governos britânico e americano.

Hoje, infelizmente, pouco restou dos protótipos de máquinas de computação de Babbage.