Uma verdade inconveniente está se tornando cada vez mais clara: o governo norte-americano teve várias chances de impedir que Edward Snowden vazasse os documentos da NSA divulgados no meio do ano. Mas eles não fizeram nada. Muitos dos sinais de alerta dados pela CIA já foram divulgados, mas a última revelação mostrou uma grande trapalhada do governo mais poderoso do mundo.

O New York times relata que Snowden foi afastado de suas funções técnicas na CIA em 2009, depois que um de seus supervisores suspeitou de que ele estivesse tentando acessar documentos secretos. Após a saída de Snowden, o supervisor anexou um relatório ao arquivo pessoal do funcionário explicando o motivo da demissão e apontando algumas mudanças no comportamento de Edward. Isso aconteceu enquanto Snowden andava comentando os problemas de segurança e reclamando sobre a vigilância de civis. (O irônico é que Snowden – ou alguém usando o nome dele – escreveu que “quem vaza informações deveria ser fuzilado”.)

Convenientemente, parece que o arquivo pessoal se perdeu na confusão quando Snowden foi transferido da CIA para seu trabalho como contratado da NSA. Apesar das preocupações do supervisor, Snowden teve mantido seu acesso a documentos secretos e, no começo de 2012, quando ainda estava trabalhando para a Dell dentro da NSA, ele teria começado a roubar esses documentos. Sobre o relatório que poderia ter avisado a NSA sobre um empregado potencialmente perigoso, um oficial veterano deu a seguinte declaração ao Times: “Esse relatório escorregou entre os nossos dedos e se perdeu no sistema”.

Ops.

Mas essas coisas acontecem, não é? A burocracia nunca funciona perfeitamente e a quantidade de informação nos arquivos do pessoal da inteligência secreta é absurda. Além disso, o sistema que controla o acesso a documentos secretos por parte dos funcionários da CIA e da NSA parece só conseguir rastrear “grandes quebras de protocolo e não queixas menos sérias sobre comportamento pessoal”, diz o Times. Sem acesso ao texto do relatório, é complicado conjecturar sobre quão sério o supervisor estava falando ao citar as tentativas de acesso a documentos secretos, então pode ser que a reclamação tenha soado como uma simples implicância.

Não importa o que o governo norte-americano tenha feito de errado, outra verdade inconveniente está surgindo: a de que Edward Snowden era realmente determinado. Em junho ele disse: “A verdade está chegando e não poderá ser detida”. Ao menos não por esse governo atrapalhado. [NYT]