Usamos todos os dias sem questionar nada, mas se pensarmos por um segundo, o teclado QWERTY é bastante estranho. De onde surgiu uma coisa tão pouco intuitiva assim? A história mais popular diz que tem a ver com a mecânica das antigas máquinas de escrever e prevenção contra travamentos, e mesmo que isso faça um pouco de sentido, talvez seja mentira.

A história apócrifa é mais ou menos assim: as primeiras máquinas de escrever tinham problema com travamentos quando as teclas eram pressionadas rapidamente, então designers criaram um layout separando teclas de combinações comuns para desacelerar os datilógrafos. Assim, duas letras que costumavam aparecer bastante em sequência em palavras da língua inglesa ficavam separadas, e enquanto uma mão apertava uma delas, a outra procurava a tecla seguinte. Isso fazia a digitação ser mais lenta, e, consequentemente, diminuía os travamentos.

Inteligente, não? Mas também não é verdade. Como o Smithsonian aponta, algumas sequências bastante comuns em palavras da língua inglesa estão bem próximas no teclado QWERTY: “er”, “es”, “th”, entre outras. Então como surgiu esse layout estranho?

Os primeiros testes de máquinas de escrever foram feitos, de acordo com os pesquisadores Koichi Yasuoka e Motoko Yasuoka da Universidade de Kyoto, por operadores de telégrafos que receberam as teclas em disposição alfabética padrão. Quando esse formato se provou insustentável, foram feitas diversas revisões e provavelmente o QWERTY nasceu das excentricidades formadas. Em outras palavras, os datilógrafos formaram o teclado, e não o contrário.

O sistema QWERTY também foi – ao menos em partes – uma criação proprietária, provavelmente intencionada para fechar usuários em um ecossistema. Nos tempos antigos, a Remington dava aulas no seu layout QWERTY, e quando datilógrafos ganhavam proficiência, dificilmente conseguiriam mudar para outra disposição de teclas. Isso se tornou irrelevante em 1893, quando uma fusão entre as cinco maiores fabricantes de máquinas de escrever da época – Remington, Caligraph, Yost, Densmore e Smith-Premier – criou a Union Typewriter Company, que adotou o QWERTY como padrão em seus produtos. Mas até então o layout não era algo muito diferente de, digamos, empresas que fecham seu ecossistemas de apps atualmente.

Infelizmente a história ainda não foi contada com muitos detalhes, então é difícil saber quais fatores estavam em jogo. De qualquer forma, existem muitas evidências que indicam que a história do design mecânico é apenas lenda, e pouca coisa sugere que foi realmente isso o que aconteceu. [Design Decoded via The Atlantic]

Imagem via Juan R. Velasco/Shutterstock