Astrônomos detectaram um pequeno asteroide que parece que não quer ir embora. Chamado de quasi-satélite, este novo companheiro gira ao redor da Terra conforme nosso planeta orbita o Sol – e ele vai ficar exatamente onde está pelos próximos séculos.

Do ponto de vista técnico, este satélite recém-descoberto, chamado 2016 HO3, está em órbita ao redor do Sol. Mas conforme ele segue em sua jornada anual, ele também meio que orbita a Terra. Ele está longe demais para ser considerado um satélite natural do nosso planeta, mas é um ótimo exemplo de um quasi-satélite.

Esse pequeno rapaz, que mede algo entre 40 e 100 metros, nunca se aventura muito distante da Terra. Conforme ele orbita o Sol, o asteroide 2016 HO3 passa quase metade do tempo mais próximo da estrela do que da Terra à frente do nosso planeta. Na outra metade do tempo, ele está atrás de nós.

Ele também está em uma órbita inclinada, o que faz ele ir para cima e para baixo no plano orbital. Como Paul Chodas da NASA explicou, “este pequeno asteroide foi pego em uma pequena dança com a Terra.”

Ao longo dos anos, o asteroide começará a ir para dentro e para fora, mas a gravidade da Terra é forte o suficiente para garantir que nosso colega não se aproxime demais, nem fique muito distante. Ele nunca fica mais longe daqui do que 100 vezes a distância entre a Terra e a Lua, e nunca mais longe do que 38 vezes a nossa distância para o satélite natural, ou cerca de 14 milhões de quilômetros. Então não representa uma ameaça para nosso planeta.

O asteroide 2016 HO3 foi detectado no fim de abril pelo telescópio Pan-STARRS 1 no Havaí. Cálculos sugerem que ele se tornou um quasi-satélite há cerca de um século, e ficará por aqui por mais algumas centenas de anos.

Se ele estará entre nós por tanto tempo, será que não é o caso de escolhermos um nome melhor do que 2016 HO3?

[NASA]