Em quatro bilhões de anos, a galáxia de Andrômeda irá colidir com a Via Láctea. Já sabíamos que isso iria acontecer, mas um estudo realizado com dados do telescópio Hubble afirma que será uma “colisão frontal titânica”, que criará uma galáxia completamente nova.

Será uma visão incrível, mas por enquanto só podemos ver Andrômeda de longe. E esta nova foto do Observatório Espacial Herschel, da Agência Espacial Europeia, mostra uma bela vista.

Da NASA:

O brilho visto aqui vem do comprimento de onda mais longo do espectro infravermelho, dando aos astrônomos a chance de identificar o pó mais frio da nossa vizinha galáctica. Estes comprimentos de onda de luz variam de 250-500 mícrons, ou seja, entre 1/4 e metade de um milímetro. A habilidade do Herschel em detectar a luz permite aos astrônomos ver nuvens de poeira a temperaturas de apenas algumas dezenas de graus acima do zero absoluto. Estas nuvens são escuras e opacas em comprimentos de onda mais curtos. A visão de Herschel também realça raios de poeira entre os anéis concêntricos.

Ou seja, o telescópio espacial consegue ver até nuvens extremamente frias de poeira, que emitem luz em comprimentos de onda bem pequenos. Assim descobrimos mais detalhes de Andrômeda, que está a 2,5 milhões de anos-luz da Terra.

Ela é a galáxia em espiral mais próxima da Via Láctea. Na verdade temos várias vizinhas mais próximas, porém nenhuma com tamanha magnitude: estima-se que Andrômeda tenha um trilhão de estrelas, pelo menos o dobro da Via Láctea. Mas não se preocupe: essas estrelas estão tão distantes umas das outras que, quando as duas galáxias colidirem, a possibilidade de as estrelas também colidirem é quase nula. E já teremos voltado ao pó em 3,75 bilhões de anos, então tudo ok.

Baixe a imagem acima em resolução de até 2800 x 1575 pixels no link a seguir: [NASA]