Você já deve ter ouvido falar nas contas, certo? O sujeito vai lá, recebe informações de onde estão ocorrendo blitzes da Lei Seca, e seus seguidores, direto dos bares e baladas da vida, conseguem pensar em caminhos alternativos que não os levem direto ao bafômetro. Como relata o IDG, tal pedido valeria inicialmente apenas para contas que avisam os usuários no estado de Goiás, mas abriria um precedente para a eliminação de perfis de outros estados. E a AGU entende que o Twitter também tem culpa no cartório:

Para a AGU, a conduta do Twitter – por permitir a publicação dos posts – e dos demais envolvidos “agride diretamente a vida, a segurança e o patrimônio das pessoas”, e infringi diversos artigos das leis brasileiras, tanto do Código Penal quanto do Código de Trânsito.

Os advogados ainda alegam que a “fiscalização é um importante mecanismo para reduzir o número de acidentes”. E isso faz bastante sentido para nós. Os advogados também entraram com liminar para interditar as contas durante o processo — e caso ela seja aceita, os réus terão que desembolsar R$500 mil por dia caso descumpram o pedido. Sugestão dos bons amigos do Gizmodo: é mais fácil beber e não dirigir, sabia? [IDG; foto via O Globo]