O carro voador é uma das eternas promessas da tecnologia que nunca sai do papel. Há várias startups trabalhando nisso, no entanto, e a Airbus diz que este futuro chegará mais cedo do que você imagina.

Seria este o táxi autônomo voador dos nossos sonhos?
Larry Page, cofundador do Google, vem investindo secretamente em carros voadores

O A3, grupo de inovação da empresa localizado no Vale do Silício, está preparando um projeto chamado Vahana – decorrente da palavra em sânscrito que significa “aquilo que carrega”.

O veículo está sendo desenvolvido sob o nome CityAirbus, teria “várias hélices e se assemelha a um pequeno robô em sua concepção”. Ele seria uma alternativa para táxis comuns, e custaria tanto quanto eles. A empresa aparentemente vem trabalhando nisto desde fevereiro, e espera testar seus primeiros protótipos até o final de 2017.

Parece bom demais para ser verdade: afinal, muitas das grandes cidades no mundo não permitem nem mesmo drones no céu. Aparentemente, a solução da Airbus é fazer acordos com os governos locais para realizar programas de teste.

Este é o caso do projeto Skyways, no qual a Airbus Helicopters se uniu à Autoridade de Aviação Civil da Singapura, permitindo à empresa subsidiária testar um serviço de entrega de encomendas por drone no campus da Universidade Nacional de Singapura em meados de 2017.

Com o projeto Skyways, o drone irá transportar contêineres obtidos em “corredores aéreos” espalhados pelo campus, soltando pacotes em estações de encomendas, onde as pessoas podem ir buscá-los. Caso esta fase de testes seja bem-sucedida, a empresa vai testar a entrega de pacotes a partir de torres de encomendas até navios no Porto de Singapura.

Science fiction illustration of a future city street with space cruiser and other aerial traffic overhead in hazy sunshine, 3d digitally rendered illustration.

Um veículo CityAirbus

É definitivamente algo a se prestar atenção, especialmente por competir com startups de carro voador. No entanto, ainda existem alguns obstáculos a se considerar. A tecnologia para veículos voadores autônomos ainda não chegou lá, algo que a Airbus admite. Além disso, como vimos em veículos autônomos terrestres, a tecnologia para carros que dirigem sozinhos ainda precisa de ajustes.

“Muitas das tecnologias necessárias – tais como baterias, motores e aviônica – estão quase lá”, diz Rodin Lyasoff, executivo do projeto na A3.

Os planos da Airbus são ousados. Ele pode ser capaz de testar algo em assim no Vale do Silício, onde fica a A3, mas acho difícil ver os táxis voadores se tornando algo corriqueiro em grandes centros (como Nova York) sem anos de debate e legislação.

Lyasoff diz, no entanto: “nós acreditamos que a demanda global para esta categoria de aeronave pode levar a frotas de milhões de veículos em todo o mundo”.

[Airbus Group]

Imagens por Airbus Group