Se você passou algumas tardes vendo Um Maluco no Pedaço, certamente se lembra da icônica dancinha do Carlton, interpretado por Alfonso Ribeiro. E se você joga ou acompanha Fortnite, pode ser que já tenha visto essa mesma dancinha no jogo.

Por isso, o ator decidiu processar a Epic Games, criadora do Fortnite, e a Take-Two Interactive, desenvolvedora do NBA 2K – que também tem o movimento no game.

Carlton, digo, Ribeiro, alega que as companhias usaram a dança, que ele criou em 1991 em um episódio de Um Maluco no Pedaço, sem permissão ou créditos. Além disso, o ator afirma que está em meio ao processo de obtenção dos direitos autorais pelo movimento.

“É amplamente reconhecido que a imagem e propriedade intelectual do Sr. Ribeiro foi desviada pela Epic Games naquele que é atualmente o jogo mais popular do mundo, o Fortnite”, disse David L Hecht, advogado do ator, em um comunicado à Variety.

“A Epic fez lucros recordes a partir de conteúdos baixáveis no jogo, incluindo reações como ‘Fresh’. Ainda assim, a Epic falhou em compensar ou até mesmo pedir a permissão do Sr. Ribeiro para usar a sua imagem e sua propriedade intelectual icônica”.

A dança foi lançada no Fortnite em janeiro de 2018 e se chama “Fresh” – o conteúdo pode ser obtido a partir de pacotes comprados no jogo. O nome do movimento, inclusive, é parecido com o título original da série estrelada por Will Smith, gravada entre 1990 e 1996, “Fresh Prince of Bel-Air”.

Ribeiro não é a primeira celebridade a processar a Epic Games pelas dancinhas presentes no jogo. No começo deste mês, o rapper 2 Milly processou a companhia por usar a sua dança “Milly Rock”.

Esses conteúdos cosméticos do game representam praticamente todo o faturamento do jogo, já que ele é gratuito. As coreografias são bem populares; jogadores de futebol chegaram a reproduzir os movimentos nos jogos da Copa do Mundo, por exemplo. Por outro lado, elas não foram criadas pelos desenvolvedores do game.

O músico Chance The Rapper já criticou a estratégia da empresa pelo Twitter:

“Fortnite deveria colocar os raps por trás das danças que fazem tanto dinheiro como Emotes. Artistas negros criaram e popularizaram essas danças mas nunca ganharam dinheiro com elas. Imagine o dinheiro que as pessoas estão gastando nesses Emotes sendo compartilhado com os artistas que as criaram”.

[Variety]