O que você precisava mais que tudo no iPhone? Editor de arquivos Office? Tecnologia push para o Gmail? Não, você queria mulher pelada. Então a Apple autorizou o primeiro aplicativo de mulheres mostrando os seios ontem. Mas tudo o que é bom dura pouco.

Até ontem, o programa "Hottest Girls" só mostrava garotas usando sutiã e biquíni. Até que o desenvolvedor mandou a mensagem:

Nós fizemos upload de fotos com nudez topless hoje (ontem). Este é o primeiro aplicativo a ter nudez.

O programa, que custava US$1,99 e funcionava em iPhone e iPod Touch, não driblava a censura da Apple para exibir fotos de gatas peladas. Não havia qualquer censura! Era um programa "aprovado para maiores de 17 anos" por conter "conteúdo sexual frequente/intenso ou nudez" e "tema maduro/sugestivo frequente/intenso".

Já tinha gente reclamando do "Hottest Girls": por exemplo, o grupo britânico MediaMarch, que procura "reduzir os efeitos nocivos causados pela mídia sobre crianças, famílias e a sociedade". O iPhone está ficando cada vez mais NSFW: agora que até um vibrador para iPhone foi aprovado, será esta uma nova era para a Apple?

Não, meus caros. A Apple agiu (mais ou menos) rápido, e de tarde não havia mais mulheres pagando peitinho no iPhone: não dava mais para comprar ou fazer download do aplicativo. Para alguns, tudo não passou de um golpe publicitário. De fato, é pelo menos duvidoso achar que a política de banir conteúdo adulto tenha mudado — mesmo que a revista Time considere pornografia "a próxima fronteira do iPhone".

Então o que fazer agora, que não podemos mais ter um aplicativo com gatas molhadas no iPhone? Bem, você tem um programinha chamado Safari, que vem resolvendo essa "falta" de aplicativos NSFW há anos. Se você curte pornografia no seu celular, não há nada que impeça você. Bem, o iPhone antigo, nas mãos da maioria dos brasileiros que têm o celular, não tem tela oleofóbica. E outra coisa: pornografia no celular? Sério? É nojento.