Sem surpresa alguma para quem acompanhou todos os diversos vazamentos, a Apple anunciou nesta quarta-feira (12) a quarta geração do Apple Watch, que mantém seu design minimalista e quadrado, mas melhora a quantidade de informação capaz de ser espremida naquela pequena tela e as capacidades de acompanhamento de saúde do relógio.

O recurso mais chamativo do novo Apple Watch Series 4 é que a tela de OLED agora é maior, reduzindo assim as beiradas e aumentando levemente o tamanho do dispositivo (que, por outro lado, está mais fino). Mas dá para destacar também uma nova funcionalidade de ligação para serviços de emergência em caso de queda causada por problema grave de saúde.

As versões anteriores do Apple Watch foram todas disponibilizadas em opções de 38 e 42 milímetros. Agora, as novas versões cresceram um tantinho, indo para 40 e 44 milímetros. A companhia tira proveito desse espaço de tela maior com um novo mostrador de relógio que vem com oito widgets, incluindo um de acesso rápido à comunicação com amigos e família que leva apenas instantes.

A coroa digital do novo Apple Watch agora tem um feedback tátil que faz um clique sutilmente à medida que você o liga, e o alto-falante foi melhorado e movido de lugar para que as respostas da Siri e as chamadas no viva-voz sejam de fato audíveis em ambientes barulhentos. O Series 4 também apresenta um giroscópio novinho em folha e um hardware de detecção de movimento que vão melhorar a capacidade do relógio de rastrear sua rotina de exercícios, além de ser também capaz de detectar uma queda, entrando em contato imediatamente com serviços de emergência caso veja que você permanece no chão depois de um minuto.

Ao virar o novo Apple Watch, você vê outras grandes melhorias para aqueles que contam com o relógio para suas atividades físicas e seu acompanhamento de saúde.

Em relação à capacidade de medir sua frequência cardíaca, os sensores usados na maioria dos smartwatches, rastreadores fitness e até mesmo versões anteriores do Apple Watch não fornecem os resultados mais precisos. Todos eles contam com LEDs brilhantes e fotossensores para medir o fluxo de sangue à medida que ele se move através dos capilares sob a pele. Mas levantar e mover seus braços ao se exercitar pode afetar o fluxo de sangue por meio dos seus membros, que é onde os relógios e rastreadores fitness fazem suas medições, resultando em informações imprecisas.

A Apple segue vendendo seu Apple Watch como uma ferramenta de saúde — não apenas um ajudante do seu iPhone —, o que explica por que a empresa fez um upgrade no hardware de monitoramento cardíaco no novo Series 4 para um eletrocardiograma (ECG, abreviando), possibilitado por uma traseira de cerâmica agora padrão que antes só estava disponível no Series 3, na versão só com GPS.

Além de simplesmente medir o fluxo sanguíneo, o Apple Watch consegue agora detectar a atividade elétrica do coração do usuário, fornecendo uma medição muito mais precisa da frequência cardíaca, mesmo durante exercícios vigorosos. Um ECG também pode ser usado para detectar ritmos cardíacos anormais, aumento de colesterol e outras condições antes que elas levem a preocupações maiores, como um ataque cardíaco. Os dados coletados pelas medições de ECG do Series 4 são armazenados no app iOS Health, podendo ser exportados como PDFs para serem compartilhados com um médico.

A Apple também fez melhorias internas no Apple Watch Series 4, que não serão óbvias ao se olhar para o dispositivo, mas que devem ser quando ele for usado. O Series 4 é o primeiro Apple Watch a dar o salto para um sistema operacional de 64 bits, com um novo processador S4 dual-core que o fará parecer um pouco mais pesado ao carregar e alternar entre aplicativos. Porém, o novo processador e a nova velocidade não vêm ao custo da duração de bateria, que deverá ter duração de 18 horas entre cargas.

O Series 3 teve preços começando em US$ 329 para a versão GPS, que não tinha conectividade com redes de celular, e em US$ 399 para a versão de conexão contínua. Já o Apple Watch Series 4 agora começa em US$ 399 na versão GPS e em US$ 499 na opção celular, disponíveis para pré-venda a partir desta sexta-feira (14), nos Estados Unidos, com entrega em 21 de setembro, data em que também começa a venda nas lojas em 26 países — mas o Brasil não está na lista.

Enquanto isso, o Apple Watch Series 3 ganhou uma redução no preço por lá, indo para US$ 279 na versão GPS.

Todas as imagens: Apple