Quem precisa de cartão de memória quando existe o DNA? Uma equipe de cientistas conseguiu armazenar imagens dentro das moléculas que definem a vida, e depois recuperar as fotos perfeitamente.

Pesquisadores da Universidade de Washington vem trabalhando em uma forma de transformar arquivos digitais em filamentos de DNA que podem ser lidos com facilidade. Luis Ceze, um dos pesquisadores, explicou em um comunicado:

“A vida produziu esta molécula fantástica chamada DNA que armazena com eficiência todos os tipos de informação sobre nossos genes e sobre como um sistema vivo funciona – é bastante compacto e durável. Estamos redefinindo isso para armazenamento de dados digitais – imagens, vídeos, documentos – em uma forma gerenciável para centenas ou milhares de anos.”

Para fazer isso, eles primeiro converteram os zeros e uns que formam um arquivo digital usando os quatro componentes básicos do DNA – adenina, guanina, citosina e timina. Parece fácil, mas a maior parte do tempo dos pesquisadores foi dedicada a enfiar a maior quantidade possível de dados em algo pequeno como um filamento sem nenhum erro.

Isso foi feito usando a codificação de Huffman, uma abordagem bem comum para compressão sem perda de dados. Você pode ler mais detalhes no artigo dos pesquisadores, mas os resultados são mais ou menos assim:

dna-memoria

Assim que a equipe determinou como representar um arquivo, eles sintetizaram DNA artificial com base nos cálculos. É aquela coisa rosa no tubo da imagem que abre o post. Ele pode ser desidratado para ser armazenado e usado em outro momento.

A leitura dos dados é facilitada pelas marcações feitas pela equipe nos filamentos de DNA. Eles conseguem sequenciar a amostra, e então usar as marcações para encontrar o ponto de início de um arquivo. Eles então simplesmente leem a combinação de adenina, guanina, citosina e timina, usando a codificação de Huffman para converter de volta para arquivo digital e pronto, o arquivo foi restaurado.

Os cientistas mostraram como conseguiram codificar e recuperar com sucesso as imagens que você vê no topo da página, mas eles também sugerem que conseguem muito mais, como armazenamento de vídeo, áudio e todo tipo de arquivo digital. Em um comunicado, eles dizem que pode ser possível “encolher o espaço necessário para armazenar dados digitais que hoje ocupariam um hipermercado para o tamanho de um cubo de açúcar.” Impressionante.

Mas ainda não é hora de jogar fora nossos discos rígidos. A técnica ainda é bastante cara, exigindo muitos equipamentos avançados de laboratório para sintetizar DNA e recuperar os dados dele. Mas se conseguirem tornar a tecnologia acessível, o armazenamento de dados em DNA poderá nos ajudar a guardar toda a imensa quantidade de informações que continuamos gerando.

[Universidade de Washington]