Os pesquisadores na linha de frente das descobertas científicas não temem arriscar a vida e os membros, seja bebendo o vômito de um homem doente ou fazendo uso de LSD. Um astrofísico seguiu seus passos em nome da pesquisa de saúde sobre COVID-19 e acabou com ímãs no nariz, correndo o risco de uma morte horrível e violenta. Ele está bem.

Como o Guardian relatou em primeira mão, Daniel Reardon, da Austrália, estava entediado pensando em como inventar um sistema de notificação que alertaria as pessoas toda vez que elas levassem a mão ao rosto.

Reardon explicou ao Gizmodo por e-mail que estava tentando impedir que as pessoas passassem o vírus das mãos para o rosto. Embora máscaras e luvas ofereçam proteção, “nós realmente precisamos parar de tocar em nossos rostos e lavar as mãos regularmente”, disse ele.

Ele havia criado um colar de circuito que emite um sinal sonoro quando detecta um campo magnético; quando emparelhado com uma pulseira magnética, o dispositivo sinalizaria um alarme se o usuário aproximasse a mão do rosto. Uma tentativa de construir o objeto produziu o resultado inverso, um colar que apitava continuamente e só parava quando ficava próximo aos ímãs. (Reardon prontamente admitiu ao Guardian que ele é especialista em ondas gravitacionais de frequência de pulsar e nanohertz, não em circuitos.)

Ainda curioso, ele prendeu os ímãs nos ouvidos e depois cometeu seu grande erro: as narinas. Quando ele removeu os ímãs da parte externa do nariz , os ímãs internos grudaram em seu septo. Quando ele tentou extrair os ímãs com outros ímãs (uma tática usada efetivamente em um garoto de 11 anos de idade), eles apenas aderiram aos ímãs originais. “Nesse momento, fiquei sem ímãs”, disse Reardon ao Guardian.

“Minha parceira me levou ao hospital em que trabalha porque queria que todos os seus colegas rissem de mim”, disse ele . “Os médicos acharam engraçado, fazendo comentários como ‘Esta é uma lesão devido ao auto-isolamento e ao tédio'”.

Os médicos conseguiram remover manualmente três dos ímãs com a ajuda de spray anestésico; o terceiro caiu em sua garganta e ele o tossiu pra fora.

Isso poderia ser uma história trágica, se Reardon tivesse engolido dois ou mais ímãs. De acordo com o American College of Emergency Physicians, a ingestão de vários ímãs pode “causar morbidade severa porque pode atrair as alças do intestino e corroer as paredes intestinais”.

Reardon permanece otimista para futuras tentativas. “Existem outros meios de fazer detecção de proximidade, e a ideia ainda é boa, então eu poderia tentar outra vez!” ele disse ao Gizmodo. “A resposta que recebi do artigo incluiu novas sugestões úteis de estranhos”.

Pesquisas sugerem que as pessoas tocam o rosto entre 16 e 23 vezes por hora, e se eu aprendi alguma coisa com os vários avisos diários sobre o assunto, o desejo de coçar as sobrancelhas e esfregar os olhos e tirar o cabelo do rosto está além das capacidades de controle de um córtex pré-frontal médio. Reardon garantiu ao Guardian que não será vítima das mesmas armadilhas magnéticas em experimentos futuros: “Não é preciso dizer que não vou mais brincar com os ímãs”, disse ele.