A Baidu, gigante digital chinesa, está dando tchau para o Brasil. A companhia, que chegou por aqui em 2013, não conseguiu emplacar e com uma mudança no panorama de negócios, não vê a presença no Brasil como essencial.

Isso não quer dizer que os produtos da companhia deixarão nossos computadores e celulares.

• Empresa brasileira de segurança vence processo de concorrência desleal contra a Baidu
• Baidu quer entrar na briga dos carros autônomos, mas começou derrapando

Segundo a revista Exame, a Baidu fez um reajuste em seus planos globais e com novo foco em inteligência artificial não vê mais sentido uma operação brasileira. Hoje, há apenas dois funcionários, que cuidam da burocracia de encerramento do negócio.

A companhia não pretende lançar novos produtos tão cedo e, portanto, a intenção é de manter a base de 20 milhões de usuários, o que poderia ser realizado a partir da China. Atualmente, muitos brasileiros utilizam aplicativos desenvolvidos pela empresa, como o Du Speed Booster e ES File, disponíveis para Android na Play Store.

Quando chegou ao Brasil, a Baidu trouxe o Baidu Antivírus, o PC Faster e o navegador Spark Browser, além do buscador Hao123. Nenhum deles emplacou e o mais famoso foi o antivírus, que vinha incorporado no instalador de outros softwares – sempre muito escondido, o que poderia induzir as pessoas a instalá-lo sem querer.

No final de 2014, a empresa diversificou os negócios e comprou o Peixe Urbano, que foi vendido posteriormente para o fundo Mountain Nazca. A empresa ainda criou um fundo de investimentos com capital inicial de US$ 60 milhões voltado a startups em setembro de 2016, mas que também foi encerrado.

Com essa série de reveses, damos adeus à Baidu. Ou, quem sabe, um até logo. A companhia tem investido pesado em inteligência artificial e está criando o seu próprio sistema para carros autônomos. Se os ventos mudarem, quem sabe eles não desembarcam novamente no Brasil.

[Exame, Época]

Imagem do topo: Flickr/Jon Russell