“Enquanto o resto do mercado está indo para um lado, com paus de selfie e telas curvas, nós estamos indo para outro lado, para o cerne dos problemas, focando em privacidade e segurança”, disse Mike Janke, da Silent Circle, no lançamento de seu smartphone seguro, o Blackphone 2. E ele não está brincando: o design pode passar despercebido, mas o aparelho é equipado com alguns recursos sérios de segurança.

Primeiro, o hardware. Ele possui tela Full-HD de 5 polegadas com Gorilla Glass 3, tem processador octa-core de 64 bits da Qualcomm (provavelmente o Snapdragon 810) e 3 GB de RAM.

Há uma bateria removível de 3.060 mAh (com Quick Charge 2.0) e 32 GB de armazenamento expansíveis via microSDXC, mais câmeras de 13 megapixels e 5 MP. São todas melhorias em relação ao Blackphone original.

Sistema privado

Mas é no software em que as coisas ficam um pouco mais interessantes. Ele roda Android com uma camada altamente segura, chamada PrivateOS 1.1, voltada para empresas.

Isso dá aos usuários uma interface de “Espaços”, que mantêm as diferentes áreas de sua vida móvel criptografadas e separadas. É basicamente um sistema de virtualização, permitindo que o Blackphone 2 funcione como “dispositivos” separados, oferecendo diferentes logins para cada app ou serviço.

Assim, você pode configurar um espaço da empresa para os seus documentos de trabalho; um espaço pessoal para seus e-mails privados; e um espaço silencioso que é praticamente uma “janela anônima” do Chrome para todo o celular – nesse espaço, tudo o que você fizer será deletado ao final da sessão.

Cada espaço pode ser preenchido com os aplicativos da “Silent Suite”, cujas funções são bastante autoexplicativas. O Silent Text, Silent Contacts e Silent Phone mantêm seus dados criptografados e isolados uns dos outros, seja em mensagens de texto, contatos ou VoIP.

O celular também vem equipado com a Silent Store, que oferece apps voltados para privacidade e segurança. O Blackphone permite que você restrinja o acesso dos apps a seus dados pessoais. Além disso, toda conexão à internet é feita por meio de VPN.

Empresas que usam o celular para chamadas em conferência poderão usar a nova função Silent Meeting. Ela permite que você crie uma conferência segura para chamadas com até 50 participantes, oferecendo agendamento e convites também. Esse recurso dispensa senhas e logins irritantes, pois a criptografia e segurança são feitas nos bastidores.

“Estamos substituindo a BlackBerry”

Mike Janke, da Silent Circle, diz que o Blackphone original gerou US$ 750 milhões em vendas. A segunda geração será ainda mais voltada para empresas.

“Estamos substituindo a BlackBerry, e não nos importamos que o CEO da BlackBerry esteja dizendo coisas desagradáveis ​​sobre nós no Twitter. Nós vamos dominá-los”, disse Janke no lançamento de hoje. Se o Blackphone 2 realmente cumprir suas promessas de segurança, ele certamente vai preencher um espaço deixado pela BlackBerry nos últimos anos.

O Blackphone 2 será vendido por US$ 629 quando for lançado no terceiro trimestre.

A Silent Circle também mostrou o protótipo de um futuro tablet Blackphone+, de oito polegadas: ele terá o mesmo software do celular – PrivateOS por cima do Android – mas as especificações não foram reveladas, nem o preço.