As Olimpíadas do Rio entraram na sua semana final e já temos o listão do doping. Na última sexta (12), a União Ciclística Internacional (UCI) divulgou que 19 ciclistas foram flagrados em exames feitos antes do evento. Um pouco antes, duas atletas, uma nadadora chinesa e uma corredora búlgara, também haviam sido suspensas. Isso sem contar que no dia da cerimônia de abertura, um atleta grego também foi mandado para casa antes mesmo de competir por ser flagrado em um teste realizado em julho.

Finalmente sabemos a razão pela qual as piscinas das Olimpíadas ficaram verdes
A ciência por trás da terrível queda que hospitalizou uma ciclista olímpica

Antes dos jogos, uma nuvem de incertezas pairava sobre os atletas graças ao escândalo russo patrocinado pelo próprio governo, que resultou na exclusão do país das competições de atletismo por parte da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) – decisão reforçada pela Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês).

Russia's Yelena Isinbayeva competes in a women's pole vault qualification round during the athletics in the Olympic Stadium at the 2012 Summer Olympics, London, Saturday, Aug. 4, 2012. (AP Photo/David J. Phillip)Russa Yelena Isinbayeva participa de prova de salto com vara em Londres, Reino Unido. A atleta foi uma das que não puderam participar dos jogos olímpicos no Rio por causa de doping. Crédito: David J. Phillip/AP

Um breve histórico do doping

Ainda assim, é incrível pensar que não faz nem 50 anos que as federações esportivas começaram a fiscalizar o doping. Foi apenas nos jogos do México, em 1968, que os primeiros exames começaram a ser feitos. Mesmo assim, apenas um único atleta, o sueco Hans Liljenwallv do pentatlo moderno, foi excluído. Motivo: estava bêbado.

Anteriormente, a farra rolava solta. Nas Olimpíadas de Tóquio (1964), no auge da Guerra Fria, eram fortes os boatos de que muitos atletas competiam dopados. Lembre-se, nessa época, vitórias esportivas eram encharcadas de significado político. Quatro anos antes, em Roma, o ciclista dinamarquês Knut Jensen morreu de overdose. Suspeitou-se que foi por uso de substâncias de melhoria de performance.

Relatos do tipo vão até os jogos da Antiguidade, entre 776 a.C. e 393 d.C., como cogumelos e chás. Mas foi em Berlim, em 1936, na Olimpíada Nazista, que os experimentos e o consumo de substâncias para aumentar o desempenho se intensificaram. Esporte, afinal, era propaganda. Os esteroides, por exemplo, foram criados entre as décadas de 1930 e 1950 para auxiliar na recuperação de feridos em guerra – e logo percebe-se que poderiam ser usados em atletas.

Foi só em 1999 que o COI criou a Agência Mundial Antidoping (WADA, na sigla em inglês) para combater substâncias de desempenho no esporte – no Rio, os exames antidoping ficarão sob a responsabilidade da Agência Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD), que recebeu investimentos de R$ 188 milhões para se ajustar aos padrões da WADA.

Os diferentes tipos de doping

Esse descompasso entre o tempo de estrada da indústria do doping e a importância dada à fiscalização permitiu um alto grau de desenvolvimento de substâncias. Doping significa aplicar um grande número de substâncias, e métodos diferentes e cada vez mais complexos, para tirar vantagem em competições. Falaremos de algumas delas aqui; se você tem curiosidade na lista completa daquilo que é proibido, recomendamos a lista de substâncias e métodos proibidos pelo Código Mundial Antidopagem.

Estimulantes

Presente em um vasto número de fontes, os estimulantes podem ter origem natural, como a cafeína e a efedrina; ou sintetizada, como a anfetamina. Seu uso é feito desde 2.737 a.C. na China, e avançou entre os atletas a partir do começo do século 19, quando surgiram as primeiras versões sintetizadas.

Eles agem diretamente no sistema nervoso, e entre os seus efeitos estão a melhora da força e da agressividade, e a diminuição da fadiga e da sonolência – soldados dos EUA e do Reino Unido utilizaram anfetaminas durante a Segunda Guerra Mundial.

No mundo esportivo, o craque argentino Diego Maradona foi flagrado duas vezes com estimulantes. A primeira vez, em 1991, certamente tinha menos a ver com resultados esportivos do que com um vício e um estilo de vida – foi o caso de cocaína. Já o segundo caso aconteceu durante a Copa de 1994, após uma partida contra a Nigéria, o que produziu a clássica imagem dele deixando o campo de mão dadas com uma enfermeira.

FILE - In this June 25, 1994, file photo, Argentine soccer star Diego Maradona, right, leaves the field of play for a random drug test at Foxboro Stadium with a medical technician of the International Soccer Federation (FIFA) after the team’s 2-1 win over Nigeria. He failed a doping test for five different banned stimulants and was thrown out the tournament. (AP Photo/Joe Cavaretta,File)

Em 25 de junho de 1994, o jogador Diego Maradona teve de deixar um jogo durante a Copa do Mundo. Crédito: Joe Cavaretta/AP

Maradona foi pego com efedrina e outras quatro substâncias da mesma família – norefedrina, pseudoefedrina, norpseudoefedrina e metaefedrina. Apesar de o craque nunca ter admitido o doping, o uso de estimulantes faz sentido para um atleta que vivia com problemas físicos claros. Além de reduzir a fadiga e aumentar os reflexos, os estimulantes também auxiliam na redução de peso.

Esteroides anabolizantes

No dia 24 de setembro de 1988, o corredor canadense Ben Johnson se tornou o maior nome dos jogos de Seul. Ele ganhou a prova dos 100 metros e, de brinde, detonou o recorde mundial da competição, atingindo a marca de 9,79 segundos. Três dias depois, veio um dos maiores escândalos da história do esporte: Johnson correu dopado. Na sua urina foi encontrado estanozolol, um tipo de esteroide anabolizante sintetizado pela primeira vez em 1962.

Ben Johnson of Canada gestures after winning the 100-meter dash beating Carl Lewis of the United states, behind at right, on September 24, 1988 at the Olympics in Seoul. The International Olympic Committee withdrew Johnson's gold medal for this event after he tested positive for steroids. (AP Photo/Fred Chartrand)

Canadense Ben Johnson comemora chega na prova dos 100 m, durante os jogos olímpicos de Seul, em 1988. Sua medalha teve de ser devolvida, pois testou positivo no antidoping. Crédito: Fred Chartrand/AP

Desenvolvidos nos anos 1930, os esteroides anabolizantes são versões sintéticas do hormônio masculino, a testosterona. O seu uso aumenta a formação de massa muscular ao estimular as células dos ossos e músculos a sintetizar proteína. O resultado disso é ganho de força, de potência e de agressividade – atrativos importantes para quem quer roubar no esporte. Por isso, seu uso já foi detectado em diferentes modalidades, de atletismo à natação, do ciclismo ao pugilismo.

Com Johnson, o fiasco foi enorme. Ele perdeu a medalha e o recorde de 1988. E em pouco tempo, a sua carreira foi para o buraco – em 1993, ele foi flagrado por excesso de testosterona e foi banido para sempre do esporte pela IAFF. Justo.

eb0f2a3e531b830b340389fb6da809b9

Capa da revista Sports Illustrated sobre o escândalo de doping de Ben Johnson. Crédito: Reprodução

Betabloqueador

Quando falamos de doping, o comum é pensar em produtos que aumentam a força e a explosão. Mas em alguns esportes, o mais importante é reduzir a influência dos músculos e do coração.

Isso vale para o tiro com arco e o tiro com pistola, nas quais qualquer tremor pode levar o tiro para bem longe do alvo. Nessas modalidades, o doping acontece por meio de drogas que reduzem a pressão arterial, a frequência cardíaca e os tremores musculares. Essas substâncias são chamadas de betabloqueadores.

Elas foram desenvolvidas nos anos 1960 com o objetivo de tratar hipertensão, quadros de pós-infarto e outras doenças cardíacas. Em modalidades como o tiro, os atletas tentam efetuar disparos entre as batidas do coração, e os betabloqueadores aumentam essa janela.

Na edição de 2008 dos jogos, o atirador norte-coreano Kim Jong-su foi flagrado com o betabloqueador propranalol. Ele perdeu as duas medalhas, prata na prova da pistola de 50m e bronze na pistola de ar de 10m, que havia conquistado.

Beijing Olympics Shooting Mens 50M Pistol

Atleta norte-coreano Kim Jong Su testou positivo durante as Olimpíadas de Pequim, na China. Crédito: Charlie Riedel/AP

Diuréticos

Algumas substâncias são proibidas no esporte não porque aumentam o rendimento dos atletas, mas porque são capazes de esconder o uso dessas drogas.

Os diuréticos paralisam a reabsorção de água e aumenta o fluxo de urina – até seis litros por dia. Com isso, outras substâncias dopantes são diluídas na urina e podem passar despercebidas por exames. Logo, quando são detectados, os diuréticos podem indicar o uso de outras drogas, como estimulantes e esteroides. Por isso, os diuréticos podem ser detectados em atletas de diversas modalidades.

Duas estrelas do esporte brasileiro já foram flagradas. Em 2009, Daiane dos Santos foi suspensa por cinco meses pelo uso de furosemida, um diurético bem comum. Dois anos depois, César Cielo também foi flagrado por furosemida, embora tenha recebido apenas uma advertência.

Cesar Cielo

Nadador brasileiro Cesar Cielo testou positivo para substância proibida em 2011, porém foi apenas advertido. Crédito: Jeff Roberson/AP

O uso de diuréticos é feito desde o século 16, mas a partir da década de 1940 versões sintéticas passaram a ser adotadas no tratamento de doenças cardíacas e renais. No esporte, seu uso só foi proibido a partir de 1988. Em modalidades com categorias de peso, como boxe e judô, os diuréticos também são vilões justamente por permitirem o controle ilegal do peso.

Narcóticos analgésicos

Difícil imaginar um atleta competindo chapado de morfina ou heroína, mas a classe a qual elas pertecem, os narcóticos analgésicos, é proibida no esporte.

Elas são substâncias derivadas do ópio (quando naturais ou semissintéticas são opiáceas; quando totalmente sintéticas, são chamados de opioides) e agem no sistema nervoso central, reduzindo a dor. Por isso, seu uso aparece em modalidades que causam muita dor.

Em 2008, um grupo de levantadores de peso da Grécia foi suspenso por dois anos pelo uso de buprenorfina, uma droga usada no tratamento contra a dependência de opioides, que também alivia dores. No mesmo ano, o lutador de MMA James Irvin foi pego com metadona e oximorfina. Ele admitiu que usou as drogas quando estava lesionado e acabou se viciando nelas.

Doping sanguíneo

É uma técnica que usa o próprio sangue do atleta para melhorar sua performance.

Nela, o sangue do atleta é removido e armazenado em ambiente refrigerado. Perto da competição, o sangue é reinjetado no organismo. O resultado é que a corrente sanguínea fica com glóbulos vermelhos em excesso – a célula responsável por transportar o oxigênio no sangue entre pulmões e músculos. Assim, existe ganho de força, velocidade e resistência.

Essa é uma das técnicas que, em 2012, foram detectadas e acabaram com a carreira do ciclista Lance Armstrong. Em 2013, em uma clássica entrevista com a apresentadora Oprah Winfrey, o atleta admitiu o doping.

France UCI Doping Report

Ciclista americano Lance Armstrong contava com um esquema sofisticado de doping. Crédito: Bas Czerwinski/AP

Eritropoietina (EPO)

O arsenal de Lance Armstrong para roubar no esporte também inclui o uso de EPO, sigla para o hormônio Eritropoietina. Normalmente, esse é um hormônio produzido pelo rim que estimula a medula a produzir glóbulos vermelhos. A versão sintética do EPO é utilizada no tratamento de pacientes com problemas renais, câncer e AIDS.

No esporte, o uso funciona como o doping sanguíneo: faz aumentar a hemoglobina para transportar oxigênio no sangue. A partir da segunda metade da década de 80, a técnica passou a substituir o doping sanguíneo. Desde então, vários ciclistas foram flagrados com EPO.

Hormônio do crescimento humano (hGH)

Mais uma substância encontrada no próprio corpo humano, o hormônio do crescimento é produzido pela hipófise e estimula a reprodução celular. Antes das versões produzidas em laboratório, o que ocorreu só na década de 1980, a única fonte para esse hormônio era removê-la de cadáveres.

No esporte, ela tem função parecida com a de anabolizantes: aumentar a massa muscular, o que gera ganhos de força e agressividade. Mas com uma diferença fundamental de que são mais difíceis de detectar nos exames antidoping.

A substância foi banida do esporte em 1989. No final do ano passado, um documentário da Al Jazeera afirmou que o astro da NFL Peyton Manning e outros quatro atletas da liga de futebol americano utilizaram hGH. A investigação ainda está rolando, e o futuro do jogador está em aberto.

Foto do topo: Imagem de maio deste ano mostra técnicos russos trabalhando no laboratório nacional de doping em Moscou, na Rússia. Crédito: Alexander Zemlianichenko/AP