Passe tempo o suficiente procurando no Google por “tacos” ou “macarronada” e uma hora começará a ver anúncios publicitários de restaurantes que servem esses pratos. Passe tempo o suficiente dirigindo para restaurantes mexicanos ou italianos e uma hora o seu carro poderá mostrar anúncios e oferecer recomendações.

• Ford registra patente de carro policial autônomo que aprende a se esconder de motoristas
• Um carro autônomo que entrega pizza é futurístico demais, mas acaba de ser apresentado



Nesta semana, a Bloomberg conversou com a Telenav Inc., uma empresa baseada na Califórnia que trabalha para mostrar anúncios publicitários em carros inteligentes, levando em consideração os hábitos de direção. De acordo com a reportagem, a Telenav diz que está trabalhando com “diversas montadoras” para começar a utilizar essa tecnologia e espera que esteja nas ruas em três anos.

De certa forma, os anúncios em carros inteligentes são o próximo passo mais lógico para a publicidade dirigida. As empresas já pagam fortunas para saber o que você faz na internet para te oferecerem conteúdo direcionado. Saber por onde as pessoas dirigem revela uma visão mais integral do que o consumidor quer e precisa – e com a chegada de carros autônomos, nossos carros estarão cada vez mais conectados.

Parou de dirigir até um local frequente? Pode ser inferido que você perdeu o emprego. Ou digamos que você comece a ir menos ao supermercado e os sensores estão percebendo menos peso no veículo cada vez que você faz compras. Pode ser que esteja tentando economizar dinheiro ou fazendo uma dieta. Tudo isso são informações valiosas para empresas de publicidade.

Em janeiro, a Visa realizou uma demonstração de uma interface de pagamento em veículos, o que poderia oferecer ainda mais dados para anunciantes. Enquanto isso, a Telenav já tem ideias para atrair as pessoas para esta jornada de rastreamento constante: coisas gratuitas. Da Bloomberg:

Digamos que você não possa pagar por funcionalidades chiques como navegação incorporada ou a possibilidade de ligar seu veículo por um app no celular. A montadora irá instalar isso de graça, basta você tolerar que uma publicidade surja de vez em quando, ao parar em um farol vermelho. Quem tiver carros de luxo não precisará sofrer com tais anúncios, uma vez que o preço pago provavelmente já terá incluído uma conexão à internet.

O modelo de propaganda direcionada já funciona desse jeito – as pessoas geralmente estão dispostas a entregar seus dados em troca de algum desconto. Da mesma forma, uma atualização gratuita para o seu carro inteligente pode ser suficiente para persuadir as pessoas a se deixarem rastrear.

Em uma matéria sobre carros inteligentes e coleta de dados publicada no mês passado, o Washington Post notou que esse processo pode revelar muito mais informações do que a sua preferência de sabor de pizza ou com qual frequência você coloca o cinto de segurança. Imagine que terceiros possam verificar suas viagens a postos policiais, abrigos de violência doméstica ou centros de testes de DST/HIV. Com as ferramentas avançadas de mineração de dados, seria fácil inferir informações sensíveis sobre a saúde dos motoristas, seus relacionamentos e emprego.

As montadoras de automóveis não estão vinculados pela HIPAA – lei americana com diretrizes sobre direitos e deveres de planos de saúde –, mas concordaram com certas proteções da FTC (Federal Trade Commission), que exige obter o consentimento do motorista antes de coletar dados.

Assim como todas as formas de dados, o governo terá acesso quase que sem restrições. Como uma reportagem do ArsTechnica aponta, na ausência de salvaguardas legislativas explícitas, quase nada impede a polícia de acessar os dados do motorista sem mandados.

As empresas de publicidade estão prosperando na era do big data e, por sua vez, as empresas que visam todos os tipos de dispositivos conectados estão projetando produtos sempre com a vigilância em mente.

[Bloomberg]

Imagem do topo: Telenav