De qualquer jeito, se eles conseguirem oferecer os preços e o crediário das lojas físicas, acho que muita gente vai começar a comprar lá. Em vendas online, os preços são realmente muito importantes para o consumidor. Todas as lojas, no fim das contas, estão a um clique de distância. Em dois cliques você muda de loja, sem gastar sola de sapato e estacionamento. Nesse primeiro momento, a CB vai disponibilizar 4 mil produtos no site, em 13 categorias diferentes.

 

Pelo o que a empresa disse, eles pretendem atingir 2% do faturamento total da empresa com o site. Sendo que a rede faturou R$ 13,8 bilhões ano passado, dá pra chutar uns R$ 300 milhões em 2009. De verdade? Acho que eles devem conseguir muito mais do que isso. O consumidor padrão das Casas Bahia é classe C, que compra em muitas parcelas. Na internet, suspeito que o perfil do consumidor deve mudar. Como já disse, na rede, o que vale é o preço. Portanto, se uma televisão de 50′ estiver mais barato na CB, ninguém vai pensar duas vezes na hora de comprar. Ou seja, essa previsão de faturamento parece muito ‘conservador’.

 

Por enquanto, apenas as cidades que têm lojas da empresa poderão contar com o site de vendas online. Mas isso provavelmente vai mudar, conforme a empresa cresça na rede. Acho que as Casas Bahia demoraram demais para entrar na festa das vendas online. Para conseguir chegar perto dos outros caras grandes (Magazine Luíza, Submarino etc), eles terão que jogar com um preço bem baixinho. O que seria legal é oferecer um desconto para quem paga à vista, já que o preço parcelado sempre tem juros embutido.

 

Um negócio é fato: outra loja virtual vai fazer a competição por preços baixos aumentar, e isso deixa todos os consumidores felizes. [FolhaOnline]