A crise de habitação no mundo todo é preocupante, com 1,2 bilhão de pessoas sem moradia adequada, segundo o Centro Ross para Cidades Sustentáveis, do Instituto de Recursos Mundiais. E é de olho em achar uma solução a médio e longo prazo para esse problema que, nesta segunda-feira (12), no festival SXSW, a ICON, uma startup de Austin, no Texas, apresenta a forma que encontrou de combater essa falta de moradia usando impressão 3D de baixo custo.

• O futuro dos produtos farmacêuticos são remédios customizados feitos por impressão 3D
• Esta impressora cria robôs para explorar áreas inalcançáveis para humanos

O método desenvolvido pela ICON envolve imprimir uma casa de 60 metros quadrados a partir de cimento em 24 horas. Os planos da empresa são de construir uma pequena comunidade com 100 moradias dessas para pessoas de El Salvador em 2019. Junto na empreitada está a New Story, uma empresa focada em soluções de moradia internacionais que não visa lucro. Cofundadora da New Story, Alexandria Lafci contou ao Verge que a companhia já tem construído casas no Haiti, em El Salvador e na Bolívia.

O modelo feito em impressão 3D tem sala de estar, quarto, banheiro e uma varanda curvada. O uso de cimento como material base deve ajudar a normalizar o processo e garantir maior confiança diante de possíveis dúvidas sobre a robustez do projeto. Jason Ballard, um dos fundadores da ICON, afirma que, inicialmente, a empresa vai testar o modelo como um escritório, para experimentar seu uso prático e responder perguntas como: qual a qualidade do ar interno, como a casa se parece e como ela cheira.

Ballard reconhece que já existem outros projetos de impressão 3D de casas, mas, para ele, um fator diferencia o modelo da ICON em relação aos outros: “Elas (as outras casas) são impressas em um armazém, ou se parecem com cabanas do Yoda. Para esse empreendimento ter sucesso, elas precisam ser as melhores casas. Acho que, se estivéssemos imprimindo em plástico, teríamos alguns problemas.”

A impressora usada pela ICON será a Vulcan, em que a impressão de uma casa sai por US$ 10 mil, mas a companhia ainda pretende baixar o custo em US$ 4 mil: “Muito mais barato do que a casa americana comum”, afirma Ballard.

Embora promissor, esse tipo de modelo para construção de casas acarreta também algumas complicações a serem discutidas, como, por exemplo, a retirada de um número significativo de empregos nos ramos de construção civil caso o sucesso de empreendimentos como esse seja estrondoso. Ao mesmo tempo, oferece uma solução muito mais factível financeiramente para combater a falta de moradia apropriada no mundo. E a ICON diz que seu modelo vem com um extra: suas casas impressas em 3D têm desperdício mínimo e seus custos de trabalho são significativamente reduzidos.

[The Verge]

Imagem do topo: Reprodução