Um crânio humano da Idade do Ferro encontrado em 2008 continha uma quantidade sem precedentes de material cerebral preservado, uma descoberta que tem intrigado os cientistas há mais de uma década. Agora, uma nova pesquisa finalmente explica por que esse cérebro resistiu à decadência por milhares de anos.

O crânio que contém o cérebro de Heslington, como é chamado, foi encontrado em um poço de lama perto da vila britânica de Heslington. O crânio remonta a cerca de 2.600 anos atrás, na Idade do Ferro Britânica, e pertencia a um homem de meia idade que foi decapitado, de acordo com uma pesquisa realizada há alguns anos. Sua cabeça foi enterrada no solo imediatamente depois. Com o tempo, o local  se tornou um pântano encharcado e cheio de lama.

Uma amostra do cérebro de Heslington. Imagem: A. Petzold et al., 2020.

Quando este crânio foi descoberto pela primeira vez, os arqueólogos ficaram chocados ao encontrar uma quantidade generosa de tecido cerebral escuro no interior , que foi descrito como tendo a consistência de tofu. Ele é considerado o cérebro mais bem preservado que remonta aos tempos antigos. Isso é algo raro, se não totalmente desconhecido, uma vez que a matéria cerebral se degrada de forma excepcionalmente rápida devido ao seu alto teor de gordura. Isso ocorre devido a um processo conhecido como autólise, no qual as enzimas do corpo destroem células e tecidos no interior do cérebro.

Os cientistas não conseguiram explicar por que o cérebro de Heslington evitou a autólise, pois não parece ter sido embalsamado ou especialmente preparado para a preservação antes do enterro. Além disso, nenhum outro traço de material biológico, como o cabelo, foi encontrado ao lado do crânio, sugerindo que algo diferente do ambiente úmido e pobre em oxigênio foi responsável pela preservação.

Novas pesquisas publicadas no Journal of the Royal Society Interface estão finalmente fornecendo uma explicação. O principal autor do estudo Axel Petzold, da University College London, e seus colegas estudaram amostras do cérebro de uma perspectiva molecular, com ênfase particular nas proteínas – essas coisas especiais que constituem e ligam os tecidos do corpo.

Em um processo que exigiu um ano inteiro de trabalho em laboratório, os pesquisadores documentaram cuidadosamente como as proteínas se desdobravam no cérebro de Heslington. No total, eles identificaram mais de 800 proteínas, muitas das quais ainda pareciam normais. Algumas das proteínas eram ainda suficientemente resistente para exibir uma resposta imune, conforme ocorre em camundongos.

Sabemos que você ainda está impressionado com esse cérebro, então aqui está outra visão dessa massa. Imagem: A. Petzold et al., 2020.

É importante ressaltar que as proteínas foram dobradas em “agregados” estáveis ​​e compactos, de acordo com o novo artigo. Essa configuração tornou as proteínas mais duráveis ​​e capazes de evitar a deterioração associada à morte. Esta formação agregada especial “permite a preservação de proteínas do cérebro por milênios”, de acordo com o estudo.

A chave para essas formações são dois tipos de fibras cerebrais, ambas encontradas no cérebro de Heslington: neurofilamentos e proteínas ácidas fibrilares gliais (GFAP). Juntas, essas estruturas funcionaram ao longo do tempo como um andaime para manter intacta a matéria cerebral de Heslington.

Petzold e seus colegas especulam que, cerca de três meses após a morte do homem, as enzimas que normalmente devastariam o cérebro foram desligadas. E, de fato, experimentos de laboratório apontaram para essa possibilidade, mostrando que, na ausência de autólise, leva cerca de três meses para as proteínas se dobrarem nos agregados firmemente enrolados.

O crânio no qual o cérebro foi encontrado. Imagem: A. Petzold et al., 2020.

Uma questão permanece, no entanto: o que desativou as enzimas?

Os autores acreditam que um fluido ácido entrou no cérebro de alguma forma, antes ou depois da morte do homem. A evidência forense no crânio sugere que ele foi atingido na cabeça ou enforcado antes da decapitação, o que pode ter algo a ver com isso. Assim, embora grande parte desse mistério tenha sido resolvida, essa questão ainda precisa ser compreendida, ou seja, a origem do fluido ácido, se for esse o caso. Outra possibilidade não descartada no estudo é que o homem sofria de alguma doença desconhecida que contribuiu para a preservação.

Dito isto, a teoria do fluido ácido é reforçada pela descoberta de proteínas de neurofilamentos nas porções externas de matéria granular do cérebro de Heslington. Isso é estranho, já que as proteínas dos neurofilamentos são tipicamente encontradas nas partes internas e brancas do cérebro. Os autores suspeitam que a autólise foi interrompida inicialmente nas partes externas do cérebro, possivelmente devido à introdução misteriosa do líquido ácido.

É importante ressaltar que há outros fatores a serem considerados, pois seria necessário o pior cenário possível para produzir essa preservação incomum. A cabeça foi enterrado em um sedimento frio de grão fino, o que criou um ambiente livre de oxigênio e de bactérias hostis, contribuindo muito para a preservação. Também ajudou o fato de o crânio ser enterrado tão rapidamente após a decapitação e de a área ter ficado especialmente encharcada ao longo do tempo.

Um monte de coisas tinham que acontecer para este cérebro permanecer em tal uma estado de conservação por milhares de anos. Não é de se admirar que ele seja o único desse tipo.